Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Corintiano Shamell torce no Pacaembu e se diz surpreso por Taylor

Por Da Redação 10 Maio 2012, 08h02

Em meio ás quartas de final do Novo Basquete Brasil (NBB), o norte-americano Shamell esteve nos camarotes do Estádio do Pacaembu para torcer pelo Corinthians na Copa Libertadores. Satisfeito com a classificação após o triunfo sobre o Emelec na quarta-feira, o jogador do Pinheiros se disse surpreso pela naturalização do compatriota Larry Taylor.

‘Sempre que tenho algum tempo livre, gosto de torcer pelo Corinthians no estádio, principalmente na Copa Libertadores. Desta vez, o jogo foi tranquilo e gostei bastante. Graças a Deus, conseguimos marcar três gols e tudo correu bem’, declarou Shamell, fã do atacante Sheik. ‘Quando precisa decidir, ele sempre aparece’, justificou.

Há cerca de oito anos no Brasil, Shamell é casado com uma brasileira e tem filhos nascidos no País, além de falar português de maneira fluente. Antes de atuar no Pinheiros, ele defendeu Araraquara, Paulistano e foi campeão paulista de 2008 pelo Limeira.

Após alcançar destaque no cenário do basquete nacional, o norte-americano conversou com Lula Ferreira e Moncho Monsalve, antecessores de Rubén Magnano no comando da Seleção, e resolveu tentar se naturalizar para defender o Brasil, mas ainda não conseguiu concluir o processo burocrático.

Larry Taylor, por sua vez, defende o Bauru e está há cerca de quatro anos no País. Ele teve sua naturalização sugerida pela Confederação Brasileira de Basquete (CBB) em 2010, conseguiu finalizar o processo recentemente e pode ser convocado por Magnano para os Jogos Olímpicos de Londres-2012.Questionado se vê algum tipo de favorecimento a Taylor, Shamell hesitou. ‘Ah, pode ser. Não sei. Todo mundo sempre fala que falta um segundo armador na Seleção e o Larry é muito bom na posição. Acho que esse foi o maior motivo, mas quem sabe? Não sei muito de política, sei o que tenho que fazer na quadra’, disse.

De maneira diplomática, ele desejou sorte ao compatriota. ‘Foi uma surpresa, mas ele deu mais sorte do que eu. Torço pelo Larry e ele também torce por mim. Estou muito feliz que deu tudo certo para ele e vou seguir lutando para também tirar o passaporte brasileiro. Se eu conseguir, vai ser legal. Se não, minha vida continua’, declarou.

O Pinheiros disputa as quartas de final do NBB diante do Joinville. Depois de perder os dois primeiros jogos da série, o time defendido pelo torcedor do Corinthians conseguiu empatar. O quinto confronto será realizado na próxima sexta-feira, no clube paulista. ‘A série ainda não acabou e vamos com tudo’, avisou.

Continua após a publicidade
Publicidade