Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Corinthians gasta R$ 800.000 de salários com jogadores encostados

Cristian, que sequer foi inscrito no Campeonato Paulista, e Guilherme, que ficou fora do banco no último jogo, viraram problemas para a diretoria

Por da redação - 7 mar 2017, 10h36

Corinthians vive bom momento, com vitórias nos clássicos diante de Palmeiras e Santos e com a melhor campanha do Campeonato Paulista. No entanto, no elenco de 39 jogadores, dos três que recebem salários mais elevados, dois não estão nos planos do técnico Fábio Carille. O meia-atacante Guilherme e o volante Cristian custam aos cofres do Corinthians algo em torno de 800.000 reais mensais, mas sequer têm sido relacionados para as partidas.

A situação de Cristian, que recebe 420.000 reais mensais, é a mais complicada: o jogador, que virou ídolo da torcida entre 2008 e 2009, e retornou ao clube, sem sucesso, em 2015, nem sequer foi inscrito para a disputa do Paulistão. O fato, inclusive, o deixou bastante irritado e fez com que ele trocasse farpas publicamente com Carille e com o gerente de futebol Alessandro Nunes. Cristian alega que não foi avisado antecipadamente de que não seria utilizado pelo treinador e isso dificultou o acerto com outro clube.

O problema, porém, é que o alto salário limita o universo de possibilidades para uma negociação. O Corinthians se dispõe até a pagar parte do salário para que ele consiga encontrar um lugar para jogar o quanto antes. Cristian tem contrato até o final deste ano, e Carille não pretende utilizá-lo. Gabriel, Maycon, Camacho e Fellipe Bastos vêm sendo aproveitados no setor.

Em relação à situação de Guilherme, que recebe 380.000 reais mensais, o clube adota postura mais comedida. O jogador participou de parte de dois jogos na temporada e está inscrito no Campeonato Paulista, mas também não é sequer cogitado entre os titulares de Carille. Existe uma pequena possibilidade de ele até atuar no domingo, contra a Ponte Preta, porque o treinador poupará toda a equipe titular, em decorrência da sequência de jogos.

Publicidade

Guilherme tem incomodado a comissão técnica por dar diversas entrevistas reclamando do esquema tático, que segundo ele, não o favorece. Contra o Santos, no último sábado, não ficou sequer no banco de reservas.

No início do ano, o Internacional propôs uma troca com o meia Anderson, mas as conversas não foram adiante. O time gaúcho liberou o jogador para o Coritiba e continua monitorando o corintiano, que foi contratado do Antalyaspor, da Turquia, por cerca de 4 milhões de reais, no início de 2016.

Ao contrário de Cristian, cujo contrato está próximo do fim, Guilherme tem vínculo até dezembro de 2019 e a diretoria espera utilizá-lo como moeda de troca. Por isso, não deve afastá-lo. A ideia dos dirigentes é conseguir uma negociação antes do término da primeira fase do Paulistão, para poder inscrever outro atleta em seu lugar. No clube, apenas Jadson recebe mais que Cristian e Guilherme.

Se Guilherme e Cristian estão sem moral, o mesmo não se pode dizer dos garotos da base. Nesta segunda-feira, o clube anunciou a renovação de contrato de quatro deles. O lateral-esquerdo Guilherme Arana e o volante Maycon ficam no clube até dezembro de 2021. Já Marciel e o goleiro Caíque firmaram acordo até dezembro de 2020.

Publicidade

(com Estadão Conteúdo)

Publicidade