Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Barcelona, melhor do planeta, atropela o Santos e leva o bi

Foi muito mais fácil do que se pensava. E a equipe catalã confirma, com a vitória arrasadora por 4 a 0 no Japão, que já é uma das melhores da história do futebol

Durante cerca de 70% do tempo de uma partida, seja ela contra um pequeno clube espanhol, seja contra o poderoso Real Madrid, a bola está nos pés de jogadores vestidos de azul e grená. E não foi diferente com o Santos de Neymar e Ganso neste domingo

O Santos marcou seu nome na história do futebol quando montou um time extraordinário, comandado pelo melhor jogador de todos os tempos. Até hoje, o clube é conhecido no mundo inteiro por causa da geração de Pelé, astro de uma das melhores equipes já vistas num gramado. Neste domingo, em Yokohama, no Japão, a agremiação paulista esperava dar continuidade a essa história, conquistando seu terceiro título mundial. Mas deu o azar de se deparar com um time que está fazendo história – e garantindo um lugar de honra na mesma galeria de supertimes em que está eternizado o próprio Santos de Pelé. Com mais uma exibição de impressionar qualquer admirador do esporte, o Barcelona despachou a equipe brasileira por 4 a 0, gols de Messi (dois), Xavi e Fábregas, e confirmou seu favoritismo na decisão do Mundial de Clubes da Fifa. É o bicampeonato do Barça, que venceu duas das últimas três edições do torneio. Mais que isso: é outra prova de que o time de Messi (que, assim como Pelé em seu tempo, é indiscutivelmente o melhor jogador do planeta) já é um dos melhores de todos. Ao Santos, resta só o consolo de saber que entrou numa batalha inglória – e que nenhuma outra equipe do futebol atual seria capaz de fazer muito melhor contra o Barça.

A equipe brasileira, aliás, começou a partida razoavelmente bem – pelo menos quando se trata de um confronto contra o atual campeão da Espanha e da Europa. Com uma marcação firme e muita pressão sobre os craques encarregados de fazer o jogo do Barça – além de Messi, os ótimos Xavi, Iniesta e Fábregas -, o Santos passou os primeiros minutos do jogo permitindo à sua torcida sonhar com uma vitória. A ilusão, porém, durou pouco: com sua excepcional capacidade de leitura do jogo e organização tática invejável, o time catalão logo se adaptou à marcação santista, encontrou caminhos para escapar do cerco e passou a ditar o ritmo da partida, como sempre faz. Por volta da metade do primeiro tempo, já tinha alcançado seu patamar costumeiro de posse de bola – durante cerca de 70% do tempo de uma partida, seja ela contra um pequeno clube espanhol, seja contra o poderoso Real Madrid, a bola está nos pés de jogadores vestidos de azul e grená. E não foi diferente com o Santos de Neymar e Ganso (que passaram a primeira etapa apagados, com poucas chances). Além de envolver o time paulista com seus toques precisos e habilidosos, o Barça ainda mostrava outra característica notável: sem a bola, não deixava o Santos jogar. Até sua defesa impressionou.

Escalado com três zagueiros pelo técnico Muricy Ramalho, o time brasileiro esperava bloquear a intermediária ofensiva do Barcelona, roubando bolas e saindo rapidamente nos contra-ataques. Essa estratégia só foi colocada em prática no segundo tempo, quando o placar já era de 3 a 0. O Barça voltou mais relaxado do intervalo, e a partida ficou mais aberta. As chances de gol, contudo, continuavam sendo monopolizadas pelos catalães. Enquanto Neymar tinha apenas alguns lampejos de talento, Messi mantinha seu ritmo implacável, arrancando com a bola e deixando para trás filas de defensores. A essa altura do jogo, ficava muito claro que o Santos estava consciente da derrota, e sentia-se à vontade para ambicionar apenas um gol de honra. No saldo final da segunda etapa, no entanto, ficou barato para o Santos – que até criou algumas oportunidades, mas se safou de muitas outras chances de gol dos catalães (o goleiro Rafael, que nada pôde fazer nos lances em que o Barça marcou, foi um dos destaques do jogo). No apito final do árbitro, a sensação, é claro, era de decepção para os brasileiros. Na memória dos jogadores, porém, ficará a lembrança de uma derrota diferente, de um jogo que, na verdade, jamais poderia ter sido ganho – não contra este inacreditável Barcelona.

Leia também

Neymar diz que Santos recebeu uma aula do Barcelona

Estatísticas provam domínio do Barcelona nos fundamentos

Guardiola ganhou 13 de 16 títulos possíveis desde 2008

Estatísticas provam domínio do Barcelona nos fundamentos

Barça alcança maior diferença em final única de Mundial

Messi é eleito melhor do Mundial e Neymar fica em 3º

Confira abaixo os principais lances da partida e os comentários dos leitores do site:

<a href="http://www.coveritlive.com/mobile.php/option=com_mobile/task=viewaltcast/altcast_code=044276d04a" _cke_saved_href="http://www.coveritlive.com/mobile.php/option=com_mobile/task=viewaltcast/altcast_code=044276d04a" >Cobertura da final</a>