Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Austrália reclama de estrutura e abre mão da Vila Olímpica

Os problemas incluem vasos sanitários entupidos, vazamentos, fiação expostas, escadas sem iluminação e pisos sujos que 'precisam de uma limpeza pesada'

A Vila Olímpica mal foi inaugurada oficialmente e já precisa encarar um enorme problema. A Austrália entrou no prédio reservado a ela, o B23, e decidiu que lá ela não fica. Em um comunicado publicado neste domingo em seu site, o Comitê Olímpico Australiano (AOC, na sigla em inglês) reclamou da infraestrutura do local e disse que nenhum atleta do país vai entrar na Vila. Até segunda ordem, a delegação ficará em hotéis.

“Por causa de uma série de problemas na Vila, incluindo gás, eletricidade e encanamento, eu decidi que nenhum membro do time australiano vai entrar no nosso prédio. Eu vou reavaliar a situação esta noite”, disse, pelo comunicado, a Chefe da Missão Australiana, Kitty Chiller.

De acordo com a Austrália, os problemas incluem vasos sanitários entupidos, vazamentos em tubulações, fiação expostas, escadas escuras sem iluminação instalada e pisos sujos que “precisam de uma limpeza pesada”. Ao longo da semana, funcionários da delegação trabalharam “por muitas horas” e não conseguiram sanar todos os problemas.

Ao que parece, a postura da Austrália é só a ponta do iceberg. “Nós não estamos sozinhos. Nossos amigos da Grã-Bretanha, da Nova Zelândia e outras estão experimentando os mesmos problemas em suas acomodações”, garantem os australianos.

No sábado à noite, foi realizado um “teste de stress” na Vila, ligando vasos sanitários e torneiras de todos os apartamentos ao mesmo tempo. “O sistema falhou”, contaram. Água escorreu pela escada e um forte cheiro de gás entrou em alguns apartamentos.

O presidente do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos Rio-2016, Carlos Arthur Nuzman, classificou como “naturais” as críticas e problemas encontrados pelos atletas nos alojamentos. Segundo Nuzman, a Vila Olímpica do Rio é “a melhor da história das Olimpíadas”, mas ajustes são necessários nos apartamentos.

Apesar desses problemas, equipes de pelo menos outros 10 países já estão no condomínio que tem capacidade para 17 mil pessoas. Já deram entrada países como Eslovênia, Suécia, Itália, Inglaterra, África do Sul, Portugal, Alemanha e atletas de 14 modalidades do Brasil.

“Já fizemos várias mudanças na Vila e sempre que fazemos isso sentimos que ajustes são necessários. É natural que ajustes necessários sejam feitos ao longo dos próximos dias. Mais importante é, de agora em diante, ver o que podemos entregar. Não é procurar quem errou ou deixou de errar”, disse Nuzman à imprensa, em evento que deveria servir de festa pela abertura da Vila.

Para o brasileiro, os problemas na Vila Olímpica não são exclusividade do Rio. “Outros organizadores de Jogos Olímpicos já tiveram situações semelhantes ou piores. Nossa missão é corrigir o que for feito para ter Jogos espetaculares”, completou o dirigente.

(Com Estadão Conteúdo)

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Gutemberg Chaves Santiago

    País com ensino fundamental de quinta, cidadãos de quinta! Povo brasileiro é terrivelmente despreparado. País amador! Vejam, colocaram Janete para ser prefeita da vila, poxa, deveriam colocar um síndico de condomínio profissional e que queira trabalhar, checando, torneira por torneira, detalhe por detalhe.

    Curtir

  2. Rodrigo Queiroz

    Começou a vergonha brasileira! Um país cheio de problemas pra resolver, priorizando olimpíadas…

    Curtir

  3. Cocô-pacabana, cocô p/ bacana, cocô que bacana!… EUA, Itália e Holanda PAGARAM terceirizados para “terminarem” a obra (instalar lâmpadas, limpeza, encanamento…).

    Curtir

  4. O Lula tanto fez que trouxe a Olimpíada e deixou a Dilma para organizar. Agora é só passar vergonha e jogar dinheiro no lixo.

    Curtir

  5. Elvis Carvalho

    Engraçado os argumentos sempre são de dizer “e normal acontecer” como assim normal? Os caras nao fizeram tudo estudado? Os caras nao prepararam com bilhões de grana para ainda sim ficar deficiente?? So nesse país de povo malandro-otário para ainda argumentar problemas com um “normal” nao há nada normal e sim mal feito e mal acabado nisso ai

    Curtir

  6. Isper Aziz Sahdo

    O EI ganhou outro significado no Brasil. As bombas também.

    Curtir

  7. Brazil nao deveria promover essa Olympiads
    Tanta gente precisando de ajuda e o dinheiro do contribuinte vai para isso

    Curtir

  8. Richardson Pereira da Silva

    Bom,parece que os brasileiros que administram o dinheiro publico nao levam a sério os brasileiros que mantem tudo isso pagando absurdo nos impostos…Problemas desse tipo não são nada normais…em qual pais que sediou as olimpiadas aconteceu esse vexame e em qual foi que tambem desabou um ciclovia que havia a pouco sido construida? Esse é nosso problema como brasileiro,sempre querendo achar justificativas para o injustificável.Devemos sim é buscar bins exemplos de outros paises pra melhorar um pouco o nosso…Nao tem justificative pra essa vergonha que estamos passando.Quem acha que estou pegando pesado vá a Austrália e veja as construções deles e entenderá o que eu falo.

    Curtir

  9. Júlio Tadeu Machado

    Alô, ízio, Alô, ízio, ao ler seu comentário fiquei muito estressado. Os Australianos estão corretos é assim que se faz para ver se tudo funciona a contento, não só a água, a luz, os elevadores e tudo mais até a limpeza, afinal o chamado alojamento e demais dependências do edifício devem que ser limpas antes da entrega. Pergunto Alô ízio, és PETRALHAS, porquê se for nós brasileiros vamos entender por você ser tão desentendido.

    Curtir

  10. Paulo Ferreira

    Como cobrar que os políticos não sejam corruptos e mau caráter, se isso está incrustado no brasileiro de forma geral? Bilhões torrado nestas olímpiadas para virem estes imbecis, como Nuzman, dizer que isso “é normal”? Sim, num País como o nosso, que não leva o meu e o seu dinheiro a sério, é normal. Nada vai mudar tão cedo no Brasil enquanto essa corrupção e o famoso jeitinho brasileiro continuarem a ser endêmicos.

    Curtir