Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Após trabalhar até sua mente, Jadson agradece franqueza de Leão

Por Da Redação 13 mar 2012, 08h40

Embora o discurso fosse de uma concordância amigável, Jadson não parecia nada feliz nas poucas palavras que disse na semana passada pouco após saber que não viajaria para Belém para enfrentar o Independente de Tucuruí. No domingo, porém, o camisa 10 foi decisivo com um gol e uma assistência na vitória por 2 a 1 sobre a Portuguesa. E agradeceu ao estilo de Emerson Leão por fazê-lo rever até a parte psicológica.

‘Para mim, foi muito bom. O Leão é um técnico experiente e tivemos uma conversa franca. A iniciativa de chamar foi dele, mas eu que escolheria se viajaria ou não. Falei que o ouviria por ter muitos anos no futebol. As coisas deram certo porque o Leão depositou confiança em mim para fazer o que eu sabia de melhor. Repeti algumas coisas e ajudei’, comemorou.

O técnico demonstrou cautela com a parte física da contratação mais cara do futebol brasileiro em 2012 desde sua saída do Shakhtar Donetsk, há dois meses. Mas não foi apenas para se recondicionar que o atleta contratado por R$ 16 milhões (divididos em R$ 9 milhões mais 30% dos direitos econômicos do volante Wellington) foi barrado.

‘Fiquei treinando bastante a parte física e um pouco da questão mental. Foi uma semana bastante proveitosa. Por isso consegui ajudar no jogo. E pretendo crescer muito mais’, avisou o meia, admitindo as dificuldades de alguém com uma personalidade mais tímida, como ele, trabalhar sob cobrança.

‘Existe o lado da cobrança e é necessário saber lidar com isso. A pessoa com tranquilidade e confiança pode dar muito mais. Sem estar tranquilo, dificulta’, apontou. E sua paz, aparentemente, vem de Leão. Tanto que, agora, Jadson confessa seus problemas de adaptação – principal dificuldade detectada pelo chefe -, mesmo após ter dito que isso não era ‘desculpa’.

‘O mais difícil é o estilo de jogo. E o clima. Onde eu estava, é muito frio, aí chego aqui e encaro 30C. É complicado’, apontou o jogador, que ficou sete anos na Ucrânia. ‘Mas estou começando a me adaptar. O tempo vai passando aqui, tem jogos, treinos, e começo a ter mais entrosamento. Vou melhorando pouco a pouco.’

E é no papo sincero com Leão que ele aposta para conseguir avaliações mais claras de seu desempenho. ‘Ter um técnico que conversa facilita muito. Ele expõe o que acha e posso também falar onde me sinto melhor jogando. É muito bom. Só tem a crescer o entrosamento do técnico com o jogador’, comentou Jadson.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)