Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Um olhar sobre a condição humana

Aos 96 anos, morre a escritora portuguesa Agustina Bessa-Luís

A escritora portuguesa Agustina Bessa-Luís gostava de contar uma história: um dia, foi abordada por uma mulher que a tinha visto na véspera, em um programa de televisão, e lhe disse: “Sabe, dona Agustina, gostei muito de a ver e ouvir ontem, e gostei muito de si. Qualquer dia até leio um livro seu”. Ela ria de uma constatação — em Portugal, e nos países em que foi traduzida, era mais conhecida do que lida. Sua obra mais celebrada é A Sibila, publicada em 1954, a saga familiar em torno de Joaquina Augusta, a Quina, que, presa à cama, doente, passou a ser vista como uma pessoa com dons sobrenaturais. Os teóricos definem o estilo de Bessa-Luís como neorrealista, de prosa caudalosa, quase sempre em tom memorialista — uma mistura de Franz Kafka (a quem ela dedicava especial atenção) com Gabriel García Márquez. Em 1989, Bessa­-Luís lançou Breviário do Brasil, relato de uma viagem de norte a sul na ex-colônia, que ela definiu da seguinte forma: “Mas este país é tão grandioso e cheio de encostas para vencer (umas botânicas, outras religiosas, outras históricas) que não me entendo com poucas palavras”. Morreu no Porto, na segunda­-feira 3, aos 96 anos. Disse dela o primeiro-ministro português António Costa: “Portugal perde uma das suas mais notáveis escritoras contemporâneas. Como toda a grande literatura, a obra de Agustina Bessa­-Luís é uma imensa tela sobre a condição humana”.


UM FILÓSOFO DO NOSSO TEMPO

CONTEMPORÂNEO – Um dos primeiros a pensar sobre a internet

CONTEMPORÂNEO – Um dos primeiros a pensar sobre a internet (Gerard Julien/AFP)

Quando perguntavam ao francês Michel Serres por que havia decidido se dedicar à filosofia, ele dizia: “Por causa de Hiroshima”. A resposta sintetiza, de modo extraordinário, seu trabalho intelectual: encontrar o lugar da reflexão filosófica em sua relação com a história e a política. Não por acaso ele se aproximou da sociologia. Tudo isso sem abrir mão de outros temas urgentes — educação e ecologia, por exemplo, estavam entre suas preocupações. Nascido em Agen, Serres era filho de um marinheiro e em 1949 chegou a entrar na Academia Naval. Três anos depois, no entanto, ingressou na Escola Normal Superior, entregando­-se de vez à filosofia. Afinado com a contemporaneidade, ele foi um dos primeiros pensadores a chamar a atenção para a revolução representada pela internet. Em Polegarzinha (2012), um de seus livros de maior êxito, Serres se debruça sobre a era digital. O título, claro, é uma alusão ao dedo que virou sinônimo desses novos tempos — mas no feminino, para sublinhar que a revolução também é de gênero. Serres morreu no sábado 1º, aos 88 anos, de causas não divulgadas, em Vincennes, França.

 

Publicado em VEJA de 12 de junho de 2019, edição nº 2638

Envie sua mensagem para a seção de cartas de VEJA
Qual a sua opinião sobre o tema desta reportagem? Se deseja ter seu comentário publicado na edição semanal de VEJA, escreva para veja@abril.com.br