Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Taylor Swift, o hit da trilha de ‘Jogos Vorazes’

Com 22 anos e seis prêmios do Grammy na carreira, a cantora americana emplacou duas composições próprias na trilha sonora do filme ‘Jogos Vorazes’, que promete repetir o sucesso das franquias ‘Crepúsculo’ e ‘Harry Potter’

Por Raissa Pascoal - 10 mar 2012, 08h31

Se existisse uma fórmula para converter uma menina em queridinha da música pop americana, ela poderia incluir madeixas loiras, juventude, doçura e, de preferência, algum talento. Nova integrante desse time – composto também por Britney Spears e Miley Cyrus -, a cantora Taylor Swift tem tudo isso e algo mais, como a habilidade para administrar o sucesso. Taylor fez de sua carreira a mais lucrativa da música em 2011, segundo levantamento da revista Billboard divulgado na última sexta, e amealhou seis prêmios Grammy em seis anos – dois deles em fevereiro -, chegando em 2012 à condição de cantora do momento. Coisa que a estreia de Jogos Vorazes, no próximo dia 23, só deve confirmar. Taylor Swift, que emplacou duas composições na trilha do longa, é a cantora certa para o filme certo, na hora certa.

LEIA TAMBÉM:

LEIA TAMBÉM: Jogos Vorazes, o irmão mais velho de Harry Potter

Conheça os distritos e personagens de Jogos Vorazes

Publicidade

Elenco de Jogos Vorazes é liderado pela promessa Jennifer Lawrence

Se está no auge agora, Taylor Swift vem, no entanto, construindo aos poucos o seu sucesso. Antes de marcar presença no Grammy de 2012, em que se apresentou cantando Mean com um banjo na mão, Taylor dominou a premiação do American Music Awards (AMA) no ano passado, levando três prêmios, entre eles o de Artista do Ano. Superou até o fenômeno Adele, que, embora tenha faturado também três prêmios, perdeu o principal para a cantora country.

Não foi só Adele, aliás, que ela deixou para trás. Taylor já superou também a princesinha do pop Britney Spears, que em catorze anos só levou um Grammy e um AMA, e a ex-Hannah Montana Miley Cyrus, que ainda não venceu em nenhuma categoria dessas duas premiações.

Publicidade

Vale dizer, aliás, que nas letras e no comportamento a doce Taylor está mais para a romântica Adele que para as rebeldes Britney e Miley. Em canções que falam de amor, os comentários sobre a sua vida pessoal giram apenas em torno de seus sucessivos términos de namoro com galãs da música ou do cinema, como o cantor Joe Jonas, da banda Jonas Brothers, e o ator Taylor Lautner, o lobisomem da saga Crepúsculo. Dizem até que algumas músicas de seus álbuns foram feitas para os ex-namorados, como Back to December e The Story of Us.

Trajetória – Apesar de não ter nascido no berço do country, os estados do sudeste dos Estados Unidos, a cantora se encantou pelo gênero ainda criança, ao ouvir ídolos como Shania Twain e Faith Hill. Começou aí a compor. Aos 12 anos, aprendeu violão.

Depois de investidas frustradas sobre gravadoras – ela distribuiu demos de porta em porta -, Taylor conseguiu o seu primeiro trabalho na indústria musical como co-escritora de canções para a gravadora RCA. O sonho de se tornar a intérprete das próprias letras só seria realizado em 2006, quando chamou a atenção do empresário Scott Borchetta, que estava abrindo uma gravadora independente chamada Big Machine Records e lançou seu primeiro álbum, Taylor Swift. O single Tim McGraw levou o disco às paradas da Billboard e projetou o nome da cantora nos EUA.

O reconhecimento internacional viria com o segundo CD, Fearless, de 2008. Uma de suas faixas, Love Story, se tornou o single country mais baixado da história. O disco ganhou os Grammys de melhor do ano e melhor álbum country e outra de suas faixas, a canção White Horse, levou os prêmios de melhor música country e performance country feminina.

Publicidade

O terceiro álbum de Taylor, Speak Now (2010), deu continuidade a seu sucesso, arrematando mais dois prêmios Grammy. No disco, a cantora fez parceria com a brasileira Paula Fernandes, expoente da música sertaneja no país, no single Long Live, lançado em janeiro. Um mês depois, ela divulgou a primeira música da trilha sonora de Jogos Vorazes, Safe & Sound (confira na lista acima).

No auge – Com 22 anos, Taylor Swift já conquistou o público americano e bateu recordes de vendas, com 20 milhões de discos, e downloads, com 40 milhões. Seu terceiro e último álbum, Speak Now, lançado em 2010, vendeu mais de 1 milhão de cópias só na primeira semana de lançamento, marca que, de acordo com a revista Billboard, apenas dezesseis discos ultrapassaram desde 1991. Em 2011, a cantora foi eleita a mulher do ano pela publicação, que aferiu ganhos de 35,7 milhões de dólares para a estrela country no ano passado.

Neste ano, a moça liga o seu nome à próxima promessa de hit teen depois de Crepúsculo e Harry Potter: o filme Jogos Vorazes. O longa é inspirado na série de livros de mesmo nome da escritora americana Suzanne Collins, que conta a história da nação Panem, construída sobre o que sobrou dos Estados Unidos, Canadá e México após catástrofes que destruíram o mundo, num universo fictício. Para a trilha, a cantora gravou Safe & Sound, com a participação da dupla The Civil Wars, e Eyes Open (ainda não lançada). O disco do filme é previsto para 20 de março. Promete ser, tanto quanto Jogos Vorazes, mais um estouro de Taylor Swift.

Publicidade