Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Padre Fábio de Melo deixa o Twitter após reações por crítica à ‘saidinha’

'Este lugar deixou de ser saudável pra mim', postou o religioso, que disse ter sido chamado de 'justiceiro' e 'canalha' ao expor sua opinião

Seguido por quase 7 milhões de pessoas, o padre Fábio de Melo vai deixar o Twitter. Conhecido pelas publicações bem-humoradas e pelas interações com os fãs, o religioso decidiu sair da rede social diante da repercussão de um post seu criticando a saidinha no Dia dos Pais de Alexandre Nardoni, condenado por matar a filha, Isabella Nardoni.

“Meus queridos, vou ficando por aqui. Tenho uma saúde emocional a ser cuidada. Sei o quanto já provei a solidão provocada pela depressão, pelo pânico. Tomar remédios só faz sentido quando evitamos os gatilhos dos desconfortos. Este lugar deixou de ser saudável pra mim”, escreveu Fábio de Melo. 

Desde 2017, o padre fala abertamente sobre o tratamento de depressão e síndrome do pânico.

Na quinta-feira 8, ele compartilhou uma notícia sobre o benefício a Nardoni e comentou que saídas temporárias dos presos deveriam ser realizadas somente no “dia dos finados, para que visitassem os túmulos dos que eles mataram”. 

O padre foi criticado por alguns dos seguidores pelo post. “Nada mais triste que um discurso reducionista sobre um tema tao relevante que é o sistema prisional brasileiro, sobretudo vindo de um representante da igreja”, escreveu uma delas. “Eu esperava de um padre um comentário mais cristão”, disse outro. 

O religioso afirmou que foi acusado de “justiceiro, desonesto, desinformado, canalha e outros nomes impublicáveis”. E ainda reiterou que já trabalhou com presos e que sabe da “necessidade da ressocialização”. “Nunca seremos suficientemente bons nem maus para os que nos imaginam”, concluiu.

 

 

 

 

 

 

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. ingrid dutra

    Ingrid Dutra

    Curtir

  2. Paulo Bandarra

    Só para ver o absurdo do cristianismo. Perdoa todo e qualquer facínora.

    Curtir

  3. Paulo Bandarra

    As vítimas que devem ser descartadas.

    Curtir