Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ouça ‘Prizon Pou K.E.P.A’, música que Wyclef fez após ter candidatura no Haiti impedida

Na música, gravada em idioma crioulo, rapper acusa presidente René Préval de barrá-lo

O rapper haitiano Wyclef Jean divulgou na quinta-feira, em sua conta no Twitter (@wyclef), uma canção em creole, o idioma de seu país, na qual critica o presidente do Haiti, René Préval, e o Conselho Eleitoral Provisório (CEP), que rejeitou sua candidatura à Presidência.

Em Prizon Pou K.E.P.A (prisão para o CEP), Jean, que recebeu críticas severas de Sean Penn sobre a candidatura, diz que Prevál o “descartou” das eleições, que serão realizadas em 28 de novembro. “Fui expelido da corrida”, canta ele em voz sombria. “Sei que todas as cartas estão nas suas mãos… votei em você para ser presidente em 2006, por que hoje você rejeita a minha candidatura?”. “Não é o Wyclef que você expulsou, é a juventude que você negou… é a população que você negou, os camponeses que você negou”, prossegue a letra.

O rapper relatou seu último encontro com o presidente haitiano, em 19 de agosto, um dia antes de o CEP anunciar que havia rejeitado 15 das 34 candidaturas apresentadas para o pleito – uma delas, a de Jean. “Me ofereceu café”, diz o rapper na música, na qual afirma que o governante quis “assegurar” a amizade entre ambos. Segundo a música, Préval colocou Jean nesse dia para conversar por telefone com o candidato do partido governista Unidade, Jude Célestin, e que este disse que o cantor era “um bom candidato”. “Depois, Préval me descartou”, insiste Wyclef Jean na canção, cantando que o CEP está sob o controle de “Lúcifer”. “O Deus que está comigo é mais forte que Lúcifer”, segue a letra.

Os representantes legais de Jean anunciaram nesta semana em entrevista coletiva que entraram com processos na Justiça haitiana e na Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH). O CEP rejeitou a candidatura de Wyclef Jean sob a alegação de que ele não havia comprovado cinco anos de residência no Haiti atualmente, o que viola a Constituição haitiana. O rapper está radicado desde os 9 anos nos EUA.

Assessores disseram que Préval soube da música, mas não irá se manifestar.

(Com agências EFE e Reuters)