Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Os destaques do 2º dia dos desfiles do Carnaval 2018 em SP

Sete escolas passam pelo Sambódromo do Anhembi ao longo da madrugada

O segundo dia dos desfiles das escolas de samba em São Paulo começou com a tradicional X-9 Paulistana e um enredo repleto de ditados populares. Batizado de A Voz do Samba é a Voz de Deus. Depois da Tempestade Vem a Bonança!, o samba-enredo abriu a noite com uma letra otimista e um tom de fé religiosa. No universo das celebridades lado B, quem se destacou foi Juju Salimeni, que estreou à frente da bateria da escola, substituindo a colega de músculos Gracyanne Barbosa. Já a musa Tarine Lopes passou boa parte do desfile segurando o tapa-sexo que caiu durante o trajeto, problema que deve custar pontos na apuração.

A madrinha da X-9 Paulistana, Tarine Lopes, perde tapa-sexo durante desfile da escola no Sambódromo do Anhembi - 10/02/2018 A madrinha da X-9 Paulistana, Tarine Lopes, perde tapa-sexo durante desfile da escola no Sambódromo do Anhembi – 10/02/2018

A madrinha da X-9 Paulistana, Tarine Lopes, perde tapa-sexo durante desfile da escola no Sambódromo do Anhembi – 10/02/2018 (Paulo Whitaker/Reuters)

Confira imagens dos desfiles ao longo da noite na galeria acima.

A segunda escola a desfilar pelo sambódromo foi a Império da Casa Verde, com o enredo O Povo, a Nobreza Real. Inspirado pela Revolução Francesa, o grupo criticou a corrupção e a desigualdade social. “Quem sou eu na ‘selva de poder’?/ Mais um ‘bobo da corte’ a padecer/ Sem desfrutar da riqueza/ Que a realeza tem pra oferecer/ No ‘Reino das Regalias’/ A poesia é nossa arma pra lutar/ Contra o carrasco da injustiça”, diz o início do samba entoado pela bateria.

Em seguida, Alcione foi homenageada pela Mocidade Alegre, com o tema A Voz Marrom que Não Deixa o Samba Morrer. A cantora soltou a voz logo na abertura da apresentação, puxando o enredo. As letras românticas, o amor pelo samba e sua origem em São Luis, Maranhão, foram enfatizados pela escola.

Sai Alcione e entra Gilberto Gil, no topo de uma alegoria, e Belo, puxando o samba-enredo em homenagem ao cantor sob o tema Sambar com Fé eu Vou, da Vai-Vai. Logo na Comissão de frente, o destaque ficou com uma bela coreografia feita pela atleta biamputada Adriele Silva e um grupo de crianças.

O cantor e compositor Gilberto Gil durante desfile da escola de samba Vai-Vai, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo (SP) - 11/02/2018 O cantor e compositor Gilberto Gil durante desfile da escola de samba Vai-Vai, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo (SP) – 11/02/2018

O cantor e compositor Gilberto Gil durante desfile da escola de samba Vai-Vai, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo (SP) – 11/02/2018 (Paulo Whitaker/Reuters)

Celebrando a cultura indígena, a Gaviões da Fiel escolheu como tema a história dos índios Guarus, que habitavam a cidade de Guarulhos, em São Paulo. Quem chamou a atenção foi Sabrina Sato, que desfilou de fantasia minúscula e um pesado adereço nas costas, feito de plástico e ferro.

Sabrina Sato desfila para Gaviões da Fiel, em São Paulo

Sabrina Sato desfila para Gaviões da Fiel, em São Paulo (Paulo Whitaker/Reuters)

Com Sérgio Reis como padrinho, a Dragões da Real passa pelo sambódromo com frases de famosas composições sertanejas, como Evidências e Romaria, em um tributo ao gênero musical. O enredo foi batizado de Minha Música,  Minha Raiz. Abram a Porteira Para Essa Gente Caipira e Feliz. Finaliza o desfile ao amanhecer a Unidos de Vila Maria, com uma homenagem ao México e ao ator Roberto Bolaños, o eterno Chaves.