Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Invocação do Mal 2’ retorna com mais sustos e demônios

Com sequência, diretor James Wan supera a capacidade de assustar do primeiro filme

Em 1977, Peggy Hodgson, uma mãe solteira com quatro filhos, chamou a polícia após presenciar estranhos barulhos e móveis se mexendo sozinhos na sua casa, no norte de Londres. Este era só o início do caso de paranormalidade mais documentado da história, conhecido como o Poltergeist de Enfield. É nesta história real que se baseia o filme Invocação do Mal 2, que estreia nesta quinta-feira no Brasil.

A sequência é novamente protagonizada pelos famosos demonologistas Ed e Loraine Warren (interpretados por Patrick Wilson e Vera Farmiga). Ela começa em Amityville, em Nova York, nos Estados Unidos, com o caso que trouxe fama ao casal. Em 1976, a família Lutz convocou a Igreja e a dupla para sua residência após fugir do local alegando sentir uma presença maligna responsável por vários eventos inexplicáveis (conhecido como Horror em Amityville, o caso já foi retratado em outro filmes e livros). Um ano antes, na mesma casa, um rapaz assassinou toda a família enquanto dormia, após afirmar ter recebido ordens de um demônio. Na época, o caso foi considerado uma farsa, mas os Waren disseram ter sentido sim uma presença sobrenatural ali.

LEIA TAMBÉM:

Criança possuída aterroriza trailer de ‘Invocação do Mal 2’

Seis filmes de terror que estreiam no Brasil em 2016

Silvio Santos volta com nova pegadinha amaldiçoada

No comecinho de Invocação do Mal 2, Lorraine faz uma regressão e acompanha os assassinatos que aconteceram. Porém, ela é levada pelas vítimas até o porão, onde encontra uma freira maligna e tem uma visão horrível sobre o futuro. Após o susto, ela faz o marido prometer que eles não vão aceitar novos casos, pois ela não quer chegar novamente “tão perto do inferno”. Mas tudo muda ao saberem do caso em Londres.

Em Londres, a família Hodgson é atormentada pelo espírito de um homem de 72 anos que era o antigo dono da casa em que moram então, e que morreu sentado em uma poltrona na sala. O espírito maligno possui a filha mais nova, Janet (Madison Wolfe). Após a garota ser gravada por uma equipe de televisão falando com a voz do morto, a Igreja convoca os Warren para ver o que realmente está acontecendo. O caso em Londres foi comumente chamado de Amityville britânica, por isso os roteiristas do filme resolveram conectar as duas histórias, fazendo com que a freira maligna dos Estados Unidos continue aterrorizando os demonologistas mesmo após o encerramento do caso.

A sequência não economiza nos sustos e nas aparições dos demônios. Uma boa diferença em relação ao primeiro filme, que pouco exibia a bruxa responsável por amaldiçoar uma família. Mas o vilão desse filme tem muito mais força visual do que o do primeiro, e apenas sua silhueta já é o suficiente para arrancar arrepios da plateia. O diretor James Wan sabe como construir uma presença assustadora em cena, como já fez com a máscara de porco na franquia Jogos Mortais (outra criação sua, que dirigiu o primeiro filme e produziu as seis sequências), e retorna com essa técnica com o demônio-freira.

Wan já tinha feito um bom trabalho no primeiro Invocação do Mal (2013) – que é o terror com roteiro original de maior bilheteria, depois de O Exorcista (1973) – e mostra na sequência que sua habilidade para assustar só melhora, ao se firmar como um dos grandes nomes atuais do gênero. O diretor possui uma boa experiência no ramo, pois, além de Jogos Mortais, ele também comandou a franquia Sobrenatural.

A trilha-sonora e fotografia são o destaque do filme, e a maior fonte de pulos da cadeira do cinema. Abusando de imagens desfocadas e de movimento de câmeras, que constantemente são usadas para esconder partes do cenário escuro e destruído, ou revelar outras vagarosamente, o terror cria um clima de tensão do começo ao fim.


Apesar da aparente bagunça no roteiro (escrito mais uma vez por Carey e Chad Hayes) com mais de um espírito a ser combatido, o filme libera pistas ao longo da trama para no fim amarrar tudo. E consegue fazer isso com coesão, interligando Amityville e Londres, e conectando os demônios que aterrorizam a todos. Ao contrário da boneca Annabelle no primeiro filme, que aparece apenas para efeitos de susto e que atraiu mais atenção do que a história principal.

O roteiro ainda conta com pequenos momentos de alívio cômico para que o público possa respirar no meio da sombria história. Uma boa sacada dos roteiristas foi também incorporar elementos da investigação real sobre o caso (que concluiu que tudo era uma farsa), uma vez que ele foi muito explorado na época. Misturando uma elaborada ficção com a realidade, cria-se uma história em que o espectador, às vezes, fica em dúvida sobre tudo o que viu, até o momento final, assim como os demonologistas.

Infelizmente, o trailer do longa já entrega uma parte do mistério envolvendo o trabalho da freira-demônio. Os espectadores mais atentos também podem perceber várias dicas ao longo da trama sobre o segredo final em torno do vilão. Porém, mesmo com esses “semi-spoilers”, o filme cria surpresas e promove expectativas, além de manter intactos a tensão, os sustos e o terror que a grande maioria deve sentir na sala do cinema.