Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Geisy Arruda, Sergio Mallandro e companhia já garantem baixo nível ao reality ‘A Fazenda 3’

É difícil dizer o que é pior em A Fazenda 3. Se o boné com hélice que Sergio Mallandro gosta de desfilar, se as crises de choro e autocomiseração de Monique Evans ou se os pontapés que os participantes dão na língua portuguesa. Em apenas três dias, já houve agressões ao idioma, já foram servidos petiscos da melhor filosofia de boteco, já se viu barraco – protagonizado pelos participantes já citados – e também mulher-fruta exibindo o corpo sem pudor. Um volume de baixarias e banalidades capaz de colocar o reality show da Record entre os mais rasos e trash – e, por isso mesmo, engraçados – do gênero.

Há pérolas para dar e vender. Em um momento em que desejava expressar seus sonhos de sucesso, a agora empresária Geisy Arruda anunciou: “Eu quero brilhar muito nos holofoRtes”. Seus colegas não perdoaram – como se fossem verdadeiros catedráticos do idioma. Está certo que, em terra de cego, quem tem um olho é rei. Mas, no mundo dos reality shows, em que o culto às celebridades se mistura à baixaria das subcelebridades, estão todos muito longe de qualquer coroa.

Confira, abaixo, algumas das pérolas que já rolaram nesta edição do reality show:

“Eu quero brilhar muito nos holofortes”

(Geisy Arruda, revelando tanto ambição como carência de língua portuguesa)


“Tudo o que eu quiser / o cara lá de cima vai me dar”

(Puxados por Sergio Mallandro, Luiza Gottschalk e outros entoam Lua de Cristal, da Xuxa, para provar que também têm ambição e carência intelectual)

“Eu vou embora, porque aqui estão só as cabeças pensantes”

(do apresentador Sergio Mallandro, ao comparar as equipes do jogo Ovelha e Avestruz – da qual faz parte e que, segundo o próprio, não é o cérebro do programa, se é que há algum cérebro em A Fazenda)

“Eu li bastante. Li que em 2012 vai haver um 13º planeta”

(Sergio Mallandro, na linha matemática do “como queria demonstrar”)

“Em Búzios, eu escutava os tabefes que ele dava (…) Ele gosta de bater”

(Monique Evans, falando de uma viagem em que se hospedou no mesmo lugar que Sergio Mallandro)

“Eu faço com a mulher o que ela gosta”

(Sergio Mallandro, se defendendo com classe das acusações)

“Às vezes, eu boto até uma empregada para comer comigo”

(Monique Evans, mostrando, entre lágrimas, o quanto é triste e solitária a sua vida)

“Você tem uma tatuagem lá dentro?”

(Da atriz Luiza Gottschalk, admirada ao ver a Mulher Melancia rebolar e exibir seus atributos para as colegas de confinamento)

“Vou colocar meu casaquinho. Minha filha deve estar dando graças a Deus, porque meu farol está sempre aceso”

(Monique Evans, muito fina e educada, sobre o fato do bico de seu mamilo estar sempre pronunciado, o que costuma acontecer com quem tem prótese nos seios)