Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Gaga e Paul McCartney vão à Comissão Europeia contra o YouTube

Centenas de músicos de fama internacional, entre eles Lady Gaga e Paul McCartney, pediram nesta quinta-feira que a Comissão Europeia revise o estatuto jurídico de plataformas de vídeos como o YouTube, acusadas de abusar de sua posição para não retribuir o suficiente aos artistas. Também assinaram a reclamação nomes como Elton John, David Guetta, Ed Sheeran, Coldplay, Sting e Robert Plant, do Led Zeppelin.

LEIA TAMBÉM:

Streaming faz indústria fonográfica ter melhor resultado em 20 anos

Música lançada via streaming poderá concorrer ao Grammy

Segundo os cálculos do Snep, principal sindicato de produtores de discos na França, o YouTube consegue acordos com os produtores a preços artificialmente baixos. Um vídeo em streaming rende cerca de três vezes menos aos produtores do que um áudio gratuito no Deezer ou Spotify, e cinquenta vezes menos que um streaming de áudio pago — através da assinatura desse tipo de site.

Os artistas consideram que as futuras discussões em nível europeu sobre os direitos autorais devem “corrigir esta importante distorção econômica”, esclarecendo o estatuto jurídico das plataformas, acusadas de abusar de sua posição de “hospedeiro”, o que evita que tenham de negociar os direitos de difusão, como fazem os sites de streaming. “O futuro está ameaçado por uma séria ‘transferência de valor’ provocada pelos serviços de hospedagem de conteúdo como o YouTube, que ficam com o valor criado pelos artistas de forma ilegal”, afirma o texto enviado ao presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

O YouTube, por sua vez, se defendeu em uma declaração à revista especializada Billboard, assegurando que uma “arrasadora maioria de empresas discográficas assinaram acordos que permitem a difusão de vídeos e a obtenção”. “Hoje em dia, pagamos mais de 3 bilhões de dólares à indústria musical.”

(Com agência France-Presse)