Clique e assine com 88% de desconto

Félix, de ‘Amor à Vida’, e a vitória do vilão

Praticamente certa, a regeneração do antagonista da principal novela da Globo confirma não apenas a popularidade do personagem que roubou, traiu e quase matou diversas vezes na trama, mas caiu no gosto do público, mas também a dos malvados que vêm tomando a frente de folhetins, filmes e séries de TV

Por Maria Carolina Maia - 25 jan 2014, 18h26

Ele roubou, traiu, mentiu, sequestrou e quase matou diversas vezes – a primeira delas, ao abandonar a própria sobrinha, que havia acabado de nascer, em uma caçamba de lixo. Sem falar nas incontáveis vezes em que blasfemou com tiradas como: “Devo ter feito pole dance na santa cruz para merecer isso”. Apesar de tudo, Félix, personagem de Mateus Solano em Amor à Vida, caiu no gosto popular e tem tudo para receber um final feliz na trama, que termina esta semana com a audiência média em torno dos 35 pontos no Ibope da Grande São Paulo, pelo menos um acima da antecessora, Salve Jorge – e isso graças a ele. É a vitória do vilão, em uma época marcada por malvados: de séries como Breaking Bad e Bates Motel a releituras de contos de fada pela ótica dos antagonistas, no cinema, a vilania está em primeiro plano.

Para Mauro Alencar, doutor em teledramaturgia pela USP (Universidade de São Paulo) e membro da Academia Internacional de Artes e Ciências da Televisão de Nova York, além do talento de Solano, reconhecidamente o grande nome dessa produção, é Freud quem explica o sucesso de Félix. “Há uma razão de teor psicanalítico para o fascínio que o personagem exerce sobre a plateia. A sombra que todos nós possuímos estaria iluminada ou seria de certa forma resolvida pela identificação com a vilania. Não deixa de ser uma catarse.”

Essa identificação com a maldade também é apontada por Clarice Greco, outra doutora formada pela USP e autora do e-book Qualidade na TV: Telenovela, Crítica e Público (Atlas), que acrescenta um motivo quase literário para a “boa fase” dos vilões. Como personagens, diz, eles estão mais complexos e interessantes. “Houve um tempo em que a representação na novela era caricata: o mocinho todo bom, e o vilão completamente ruim. Hoje, os personagens exibem contornos sutis, com traços bons e ruins, próximos do ser humano real. Isso faz o público se identificar mais com os ícones da vilania, que em casos como o de Félix têm bom humor, sarcasmo e ousadia e deixam para trás os mocinhos mornos e sem sal.”

O bom humor é, de fato, um diferencial de Félix, que dispara ao menos uma pérola a cada capítulo. O próprio “pai” do personagem e autor das tiradas, o dramaturgo Walcyr Carrasco, acredita que a característica tenha impulsionado o “hit” Félix. “O personagem tem humor, ironia e uma grande atuação do Mateus Solano”, diz Carrasco, que já manifestou orgulho por ter criado aquela que vem se consagrando como a maior “bicha má” da teledramaturgia nacional. “Bicha má”, vale lembrar, foi uma alcunha colada a Félix já no início da novela, por uma plateia que, órfã da terrível Carminha de Avenida Brasil, sentia por ele uma espécie de paixão ao primeiro capítulo.

Publicidade

Vilania em alta – O termo vilão data da Idade Média. Dizia respeito, então, àquele que era o chefe ou dono de uma vila e que, por isso, tinha poder para fazer o que bem entendesse. Com o passar do tempo, como ocorre a muitas palavras do português, o termo se concentrou em suas acepções negativas. Vilão passou a ser o malvado, o cruel.

Também é antigo o fascínio que o vilão, no sentido que a palavra possui hoje, exerce sobre espectadores e leitores. Para citar um personagem que todos conhecem: quando lançado, no século XIX, o romance A Escrava Isaura, de Bernardo Guimarães, tornou célebre nas ruas do Rio de Janeiro, então capital do país, o perverso Leôncio, a despeito de todo o sucesso da protagonista, Isaura, a quem ele amava e maltratava.

O que diferencia o período atual dos anteriores, para Clarice Greco, é a quantidade de produções ancoradas em bad guys. Entre as séries, há várias baseadas em personagens de moral condenável ou de alma atormentada, como a recém-terminada Breaking Bad, sobre um professor de química que, ao descobrir um câncer em estágio avançado, investe no tráfico de metanfetamina para criar uma herança para a família e vai afundando mais e mais no crime. Ou como House of Cards, do Netflix, cujo político ambicioso interpretado por Kevin Spacey seduz por completo o espectador. Ou ainda como Bates Motel, série inspirada em Psicose (1960), de Alfred Hitchcock, que investiga as raízes do mal do perturbado Norman Bates.

No cinema, chama a atenção a leva de adaptações de contos de fada feitos sob a ótica das vilãs. Em Malévola, previsto para maio nos cinemas, é a bruxa vivida por Angelina Jolie quem comanda a trama. O longa engrossa a fila iniciada por Espelho, Espelho Meu e Branca de Neve e o Caçador, ambos adaptações de Branca de Neve lançadas em 2012. No primeiro, Julia Roberts dava as cartas como a rainha má. No segundo, a maldade cabia à sul-africana Charlize Theron.

Publicidade

“O vilão não representa um indivíduo, mas um estado da sociedade. Em certos períodos, os heróis perdem força porque deixam de representar a realidade, daí a preferência pelo vilão”, diz Claudino Mayer, autor do livro Quem Matou… O Romance Policial Na Telenovela (Annablume). De opinião semelhante, Mauro Alencar compara a época atual, dessas em que os heróis perdem o moral, com os anos 1970, quando Selva de Pedra, de Janete Clair, tinha uma vilã muito forte, a Fernanda de Dina Sfat, mas o público acreditava na ética do mocinho Cristiano Vilhena (Francisco Cuoco) e sobretudo na mocinha Simone (Regina Duarte). “Os vilões têm um apelo hoje que não sonhariam em ter nos anos 1970, devido ao quadro de descrença que vivemos no Brasil e no mundo.”

O fim de Félix – Embora destaque características perenes de Félix e o talento de Mateus Solano como razões para a popularidade do personagem, Walcyr Carrasco deu umas “mexidinhas” na trama para garantir ao vilão a possibilidade de se regenerar. Enquanto humanizava Félix, mostrando como o desajuste da família havia produzido o desequilíbrio emocional do vilão, que passou de algoz a vítima em poucos capítulos, ele intensificou a crueldade de Aline (Vanessa Giácomo). Em poucos dias, ela cegou o marido, César (Antonio Fagundes), em quem vem dando um golpe, rejeitou diversas vezes o próprio filho e foi cúmplice do assassinato da tia, Mariah (Lúcia Veríssimo). Foi como se Carrasco indicasse ao espectador que Félix tem limites, porque nunca chegou aonde Aline chegou.

Para pavimentar de vez o caminho da regeneração, Carrasco submeteu Félix a um calvário. O personagem foi expulso de casa pela própria “mami maravilha”, como chama a amada mãe, Pilar (Susana Vieira), e teve as portas do mercado de trabalho fechadas pelo pai, César, que, além de admitir que nunca o amou, queimou o filme do filho para uma poderosa head-hunter. Sem dinheiro no bolso, teve de se abrigar na casa da “brega” Márcia (Elizabeth Savalla), que deu a ele a estrutura familiar que jamais teve. Foi aí que Félix começou a mudar – virada que também serve à defesa dos valores tradicionais, como o afeto e a família.

Se por vezes parecem forçadas, as soluções de Carrasco seguem a lógica do melodrama, gênero fundante da novela brasileira. “No melodrama tudo é possível, o importante é vivenciar fortes emoções”, diz Claudino Mayer. “Entre tantas reviravoltas mirabolantes, pode surgir inclusive a redenção do vilão que o público aprova”, sugere.

Publicidade

Se o final do personagem será o da felicidade ao lado do “carneirinho” Niko (Thiago Fragoso), como deseja parte da audiência, Walcyr Carrasco não entrega, mas a chance é grande. Além de atender à demanda popular, essa seria mais uma forma de o autor destacar Félix dentro da galeria dos maiores vilões da TV nacional. Onde ele já está, com toda a certeza.

Publicidade