Clique e assine a partir de 9,90/mês

‘Fallen’, versão do best-seller teen, é tão caído quanto o título

Atuações amadoras e cortes de câmera de dois em dois segundos transformam o filme em algo previsível e sem atrativo visual

Por Mabi Barros - Atualizado em 8 dez 2016, 17h13 - Publicado em 8 dez 2016, 17h10

Lucinda Price, “Luce” (Addison Timlin), é uma adolescente desajustada sem qualquer motivo aparente, que descobre um fator místico capaz de justificar a sua existência. Místico e, veja só, romântico. A premissa de Fallen não é nenhuma novidade. E não é apenas esse o problema da história do best-seller de Lauren Kate, que chega nesta quinta-feira aos cinemas. Atuações amadoras e cortes de câmera de dois em dois segundos — típicos de clipes musicais — transformam Fallen em um filme previsível e sem nenhum atrativo visual. Versão angelical das histórias amorosas com vampiros, lobisomens e bruxos, Fallen é tão batido e caído quanto indica o seu título. 

Luce tem uma relação especial com Daniel Grigori (Jeremy Irvine), o clássico bonitão-solitário-enigmático, que com a sua atitude hostil esconde o seu passado, quando era um anjo e se recusou a escolher um lado na luta entre Deus e o Demônio, em nome do amor por uma mortal (a Lucinda das vidas passadas). Descontente com a situação, Lúcifer jogou uma maldição sobre o casal, pela qual a garota iria morrer sempre que consumasse seu amor por Daniel, que viria a reencontrar pela eternidade, enquanto ele permaneceria vivo e jovem como um vampiro.

Do outro lado, há Cam Briel (Harrison Gilbertson), um egresso partidário de Lúcifer. Tudo indica que a sua função era matar Luce, mas, incrivelmente, a falta de sal da protagonista conquistou o bad boy, que agora luta pelo amor dela. O espectador fica, então, frente a um triângulo amoroso: Daniel, o misterioso jovem do bem, com seu penteado à prova de cenas de aventura; a mocinha mártir e songa-monga, e o único personagem com um fundo interessante, mas transformado em bobo pelo amor.

O trio principal, bem como outros anjos decaídos — daí o nome Fallen (caído, em português) –, frequenta o reformatório Sword & Cross para adolescentes problemáticos. O lugar é um verdadeiro reduto da juventude criminosa de Angel Groove (a cidade em que se passa a trama), mas não conta com nenhuma supervisão policial, apenas com um psicólogo esporádico. É um tanto quanto curioso que o pior acontecimento de lá sejam anjos caminhando pelos corredores.

Continua após a publicidade

Uma franquia para os cinemas de Fallen é, no entanto, incerta. “Nós adoraríamos fazer os outros três filmes, já estamos até produzindo o roteiro de Tormenta e os atores estão ansiosos para gravá-lo, mas tudo depende do sucesso e arrecadação de Fallen”, contou a autora Lauren Kate ao site de VEJA.

Difícil prever se o projeto sairá do papel. Fallen é mesmo caído. O lenga-lenga entre Luce, Daniel e Cam envolto pela atmosfera fantástica, no entanto, pode conquistar milhares de adolescentes ao redor do mundo. 

Publicidade