Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Escritora ataca Kate Middleton e a chama de ‘marionete sem personalidade’

A premiada autora Hilary Mantel afirmou que a mulher do príncipe William não passa de um manequim sem emoções e que foi feita para ter filhos

A premiada escritora britânica Hilary Mantel, famosa por escrever livros históricos e analisar a política e a realeza da Inglaterra, fez um ataque a Kate Middleton, mulher do príncipe William, a quem chamou de “marionete sem personalidade”, cuja “única razão de ser é ter um filho”.

Detalhe da barriguinha de Kate Middleton em primeira aparição pública após anúncio de gravidez Detalhe da barriguinha de Kate Middleton em primeira aparição pública após anúncio de gravidez

Detalhe da barriguinha de Kate Middleton em primeira aparição pública após anúncio de gravidez (/)

“Kate foi obviamente escolhida para este papel de princesa porque ela é impecável em todos os aspectos: ela tem o corpo dos sonhos, não é excêntrica e não há nada nela que incomode”, declarou a romancista em coletiva de imprensa realizada nesta segunda-feira no British Museum, em Londres.

Ela “parece fabricada”, acrescentou, comparando “a falta de jeito humano” de Kate com a “incontinência emocional” de Diana, mãe de William, “que deixava transparecer suas fraquezas em cada um de seus gestos”.

A autora disse ter visto Kate se transformar em “um manequim sobre a qual ficam suspensas as roupas”, “um manequim de desventuras, sem personalidade, definida inteiramente pelo que ela veste”.

Leia também

Bebê de William e Kate deve nascer em julho

Kate Middleton é flagrada de biquíni — e mostra barriga de grávida

Para Hilary, agora que a jovem mulher está grávida do futuro herdeiro do trono, ela é “uma mãe poderosa, investida de outras atribuições ultrapassadas”, cuja “única razão de existir e único objetivo é ter um filho”.

Hilary Mantel, de 60 anos, foi a primeira mulher e primeiro autor britânico a levar duas vezes o prestigioso prêmio literário Man Booker Prize. Um em 2009, pelo livro Wolf Hall, e outro, em 2012, por Bringing Up The Bodies, ambos parte de uma trilogia, sendo a primeira e a segunda parte respectivamente.

(Com agência France-Presse)