Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Em carta aberta, Lobão pede desculpas a Caetano, Gil e Chico

No Facebook, cantor faz declaração de amor aos três e propõe discutir a crise política no Brasil "como pessoas crescidas"

Crítico notório de medalhões da MPB, o cantor e compositor Lobão publicou neste domingo de Páscoa em sua conta no Facebook uma improvável carta aberta dirigida a Caetano Veloso, Gilberto Gil e Chico Buarque em que faz, “humildemente”, um pedido de desculpas e uma declaração de amor. Tratando os três por “caros amigos”, Lobão avisa logo no início do texto: “Decidi escrever uma carta aberta a vocês por inúmeros motivos, mas confesso que, dentre todos esses tais motivos, estava lá, para minha surpresa, no fundo do meu peito a me gritar, o maior e mais importante deles todos: o meu amor por vocês”.

Lobão relata na carta que tomou a iniciativa de escrevê-la após assistir à participação de Caetano e Gil no programa Altas Horas, da TV Globo, que foi ao ar na noite de ontem. O cantor admite que, inicialmente, seu intuito, “um tanto beligerante”, era verificar o posicionamento de Caetano sobre a crise política e os protestos das últimas semanas – Lobão tem participado das manifestações contra a presidente Dilma Rousseff. “Contudo, algo muito possante tomou conta de mim. Uma força estranha foi me conduzindo para áreas da minha memória afetiva, e, quando dei por mim, estava lá eu olhando para a TV inundado de carinho e amor, com um enorme sentimento de parentesco por aquelas duas figuras (Caetano e Gil)”, escreveu o roqueiro.

Leia também:

Em novo livro, Lobão disseca disco e expressa seu rock provocação

Segundo Lobão, para além dos dois compositores baianos, “tal força estranha também dragou uma outra figura, na tela ausente, para a ribalta do meu coração, o Chico”, notório apoiador do PT. Lobão pede então desculpas e diz que foi “desonesto” ao “diminuir o talento de vocês três por pura birra, competição, autoafirmação ou até, vá lá, uma discordância genuína quanto a princípios ideológicos, políticos e metodológicos”. “Vocês três fazem parte do meu DNA artístico e afetivo e do meu imaginário poético”, escreve.

Sem recuar de suas críticas à “ruína moral” do governo petista, Lobão propõe ao triunvirato da MPB: “nos concedermos a oportunidade de revermos nossos pontos de vista, nossas metas, de conversarmos como pessoas crescidas que estão nessa luta por um Brasil mais justo, cada um a sua maneira, com toda disposição de melhorar as condições do país em todos os sentidos”. Lobão encerra a carta mandando um beijo para os três e “love, love, love”.

Metralhadora – Há muitos anos Lobão tem sido um implacável crítico de estrelas da música brasileira. Há cerca de cinco anos, por exemplo, em uma participação em um programa de TV, o roqueiro disparou contra Caetano, Chico e Gil na mesma entrevista em menos de dez minutos. “Você já viu Caetano Veloso tocando violão? Parece que está tomando cafezinho, com nojo”, começou. “Nos anos 60, ele (Chico Buarque) não fazia mal a uma mosca sequer, porque não tinha subversão nenhuma no que ele fazia, porque ele era o namoradinho do Brasil de direita”, continuou. Quanto a Gil, Lobão o descreve como “uma raposa no galinheiro”. “Ele sempre foi assim, ‘O’ em cima do muro, que atira pra qualquer lado. É o Gilberto Gil.”