Clique e assine a partir de 9,90/mês

Chorão estava deprimido e solitário, diz Sonia Abrão

Apresentadora e prima do vocalista afirma que ele não se conformava com recente separação da mulher; cinzas devem ser espalhadas em pista de skate

Por Letícia Cislinschi - 6 mar 2013, 12h40

A prima do cantor Chorão e apresentadora de televisão Sonia Abrão afirmou nesta quarta-feira que o músico estava depressivo e não se conformava com a separação da mulher, que ocorreu no ano passado. Vocalista da banda Charlie Brown Jr., Chorão, de 42 anos, foi encontrado morto na madrugada desta quarta em São Paulo, em um apartamento no bairro de Pinheiros, na Zona Oeste. A polícia investiga o caso.

LEIA TAMBÉM:

LEIA TAMBÉM: Relembre as músicas mais famosas do Charlie Brown Jr.

Sonia Abrão esteve no local pela manhã junto com outros parentes e membros da banda. “Ele estava abalado, tentava a reconciliação [com a mulher]”, disse. Segundo a apresentadora, desde a separação, ocorrida há sete meses, o cantor vinha demonstrando sinais de depressão.

Continua após a publicidade

Leia também:

Fãs lamentam morte de Chorão nas redes sociais

“Ele falou uns dias atrás para outro primo que queria encontrar o pai dele, que morreu há dez anos. A gente não quer acreditar que ele tenha acabado com a própria vida, porque a vida era uma coisa que ele amava muito”, disse a apresentadora, que confirmou ainda a informação, divulgada pela polícia, de que o cantor havia se isolado no apartamento desde segunda-feira. Segundo a polícia, o local tinha aspecto de abandono.

“Ele estava aqui há dois dias. Não saiu pra nada. Era um momento de isolamento dele. O que se viu lá dentro foram umas latinhas de cerveja, mas o que tinha no corpo dele a gente não sabe”, completou,

Continua após a publicidade

Litoral – Sonia afirmou ainda que, após a liberação, o corpo do cantor deve ser transportado para Santos, no litoral paulista, cidade onde Chorão morava. Segundo a prima do cantor, o apartamento em São Paulo era usado apenas esporadicamente, durante apresentações na capital.

“Ele vai ser enterrado em Santos porque era ali que ele vivia mesmo. Aqui [em São Paulo] ele vinha pouco. Normalmente ficava em hotéis, e por causa da agenda ficava pipocando nos lugares”.

O cantor deve ser velado em uma cerimônia pública, na Arena Santos, um ginásio localizado próximo à sede da prefeitura da cidade litorânea. Segundo a apresentadora, após a cerimônia a família do cantor pretende cremar o corpo. As cinzas devem ser espalhadas no mar e numa pista de skate de Santos que pertencia ao músico.

Publicidade