Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

USP cai em ranking e Brasil deixa elite universitária global

Instituição paulista perde mais de sessenta postos no mais respeitado estudo do setor. Americanas dominam, europeias caem e asiáticas sobem

A Universidade de São Paulo (USP) perdeu mais de sessenta posições no ranking 2013-2014 da revista britânica Times Higher Education (THE), mais importante avaliação de universidades do mundo, tirando o Brasil do grupo de elite da lista internacional. Depois de ocupar o 158º lugar no ranking do ano passado, a USP aparece agora listada entre a 226ª e a 250ª posições – após a 200ª colocação, as instituições são reunidas em grupos de 25. As duzentas primeiras colocadas formam o pelotão de elite do ensino superior global (entenda como as instituições são avaliadas).

Leia mais:

Queda da USP é “revés para imagem do Brasil”, diz especialista

USP e Unicamp são estrelas brasileiras solitárias no ranking 2012-13

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) também deu alguns passos atrás, recuando do bloco que reúne as colocações de 251 a 275 para o grupo nivelado entre a 301ª e a 350ª posições. Nenhuma outra instituição brasileira aparece na tabulação da THE.

A queda brasileira foi destaque do texto de apresentação do ranking. “O Brasil apresentou um desempenho pobre. Sua melhor universidade, a USP, depois de fazer progressos em rankings anteriores, cai do topo da lista das duzentas melhores. Isso aconteceu principalmente devido a um declínio em sua pontuação na pesquisa de reputação”, diz o texto. “Um país deste tamanho e com este poder econômico precisa de universidades de nível mundial para encorajar o crescimento baseado na inovação, então é um grave revés não apenas o Brasil perder sua representante entre as duzentas melhores, a Universidade de São Paulo, mas também a Unicamp ter se distanciado ainda mais do grupo de elite”, diz Phil Baty, diretor da THE.

Top 5 – As universidades de elite continuam concentradas nos Estados Unidos. O Instituto de Tecnologia da Califórnia (CalTech) conquistou pelo terceiro ano consecutivo o primeiro lugar no ranking, seguido das universidades Harvard e da britânica Oxford – empatadas na segunda posição. Stanford, que em 2012 estava listada em segundo lugar, caiu para o quarto posto. O Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) finaliza o pódio ocupando o quinto degrau. Continue a ler a reportagem

O Brasil não foi o único a apresentar desempenho insatisfatório. Com exceção de Oxford, as melhores universidades da Europa perderam destaque. O Instituto Federal de Tecnologia da Suíça, número um fora de Estados Unidos e Grã-Bretanha, perdeu duas posições e terminou em 14º. A Universidade de Munique recuou e saiu da lista das cinquenta melhores. O movimento foi repetido pelas melhores universidades de Bélgica, França, Holanda, Irlanda e Áustria.

As dificuldades da Europa contrastam com o progresso da Ásia. A Universidade de Tóquio assegurou seu status de número um do continente, em 23º lugar, tendo subido quatro posições. Em segundo lugar na Ásia, está a Universidade Nacional de Singapura, 26ª colocada no ranking geral: ela ganhou três posições e ultrapassou a Universidade de Melbourne, da Austrália.

A Coreia do Sul também apresentou evolução: a Universidade Nacional de Seul figura entre as cinquenta melhores pela primeira vez, na 44ª posição. Na China, a Universidade de Pequim aparece em 45º lugar, seguida pela Universidade de Tsinghua, em 50º. A Universidade de Hong Kong ficou em 43º lugar. Continue a ler a reportagem

“A transferência de poder do Ocidente para o Oriente não é tão dramática neste ano, já que Estados Unidos e Grã-Bretanha conseguiram impedir quedas alarmantes em nível nacional. Mas a tendência continua: a maioria das melhores universidades da Europa continental derrapou, enquanto as mais importantes da Ásia, em sua maioria, evoluíram”, diz Phil Baty. Já o continente africano continua com apenas um representante na lista: a Universidade da Cidade do Cabo, na África do Sul.

Avaliação – Para a confecção do ranking, a revista THE analisa treze quesitos, agrupados em cinco grupos (confira a tabela abaixo). Ao longo do ano de 2013, foram entrevistados mais de 10.000 acadêmicos de todo o mundo e analisadas cerca de 50 milhões de citações em periódicos científicos. Todos os dados são tabulados pela Thomson Reuters. Confira o ranking completo no site da THE.

Como é elaborado o ranking internacional de universidades Como é elaborado o ranking internacional de universidades

Como é elaborado o ranking internacional de universidades (/)