Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

São Paulo tem educação abaixo da média do país no Pisa

Apenas quatro redes estaduais tiveram resultados superiores à média nacional

Apenas quatro redes estaduais de ensino do Brasil têm resultados superiores à média geral do país no Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa, na sigla em inglês) de 2012. A rede de São Paulo, o Estado mais rico, está abaixo da média nacional. Os dados desagregados são do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), que trabalha com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) na realização do Pisa. A OCDE realiza a avaliação em 34 países considerados de primeiro mundo e em outros convidados, como o Brasil.

Leia também:

Avanço do Brasil na educação perde fôlego, revela o Pisa

Pisa 2012: Cazaquistão e Albânia crescem mais que Brasil

Pisa 2012: a aberração de sempre

Nesta última edição da avaliação, o país ocupou o 57º lugar entre 65 nações. O índice geral leva em consideração as redes particular e pública. Quando separadas apenas as redes estaduais (que concentram 85% das matrículas do ensino médio, fase em que está a maioria dos alunos avaliados no Pisa), o cenário é ainda mais preocupante.

A rede estadual de Santa Catarina, a mais bem colocada do país, está a 75 pontos de distância da média dos países ricos. Essa pontuação equivale a quase dois anos de aprendizado.

São Paulo – A rede estadual de São Paulo está um ponto abaixo da média geral do país. Apenas na área de matemática o resultado paulista é superior ao nacional. Se São Paulo fosse um país, estaria na 58ª posição, abaixo de Brasil, Uruguai e Chile e acima somente de oito países, incluindo Jordânia, Argentina, Colômbia e Peru.

Para a professora Maria Izabel Noronha, presidente do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), os resultados mostram uma falta de continuidade na política educacional nos últimos 20 anos. “São Paulo tem tomado medidas muito pontuais na educação, responde a questões emergenciais. Falta um plano estadual de educação, um projeto articulado”, diz Maria Izabel.

A consultora em educação Ilona Becskeházy concorda que o sistema educacional ainda é deficiente, mas ressalta que a amostra do Pisa para a rede estadual pode esconder alguns aspectos positivos. “São Paulo é a rede que tem mais gente dentro da escola e mais gente no ensino médio. Fica difícil penalizar”, afima.

O argumento é o mesmo utilizado pela Secretaria Estadual de Educação: “As escolas estaduais de São Paulo são caracterizadas pelo atendimento universal, inclusivo, e que respeita a diversidade da maior rede de ensino do país, com 4,3 milhões de alunos.”

Em nota, a pasta refutou a comparação da rede estadual com a média geral do país, afirmando que o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), do governo federal, aponta evolução no desempenho dos alunos. No Ideb de 2011, o ensino médio de São Paulo teve melhora, mas os dois ciclos do ensino fundamental ficaram estagnados, com o mesmo resultado no índice de 2009.

(Com Estadão Conteúdo)