Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Os bons resultados do estudo em grupo – agora na internet

Na moderna versão do velho hábito de estudar em grupo, o ponto de encontro dos jovens é a internet. No ambiente virtual, eles participam de debates com gente que nem conhecem, tiram dúvidas com rapidez e ainda afiam habilidades imprescindíveis na era do aprendizado colaborativo

Prova importante à vista? A regra é juntar três ou quatro amigos – entre eles, de preferência, algum ótimo aluno – e promover uma tarde de estudo em casa ou na biblioteca. A turma nem sabe, mas está pondo em prática uma ideia que vem de Sócrates (470-399 a.C.), o pai da filosofia ocidental: a do aprendizado pelo diálogo. Com mais ou menos eficácia, o estudo em grupo sempre foi uma ferramenta usadíssima por jovens de toda parte para ampliar o conhecimento fora da sala de aula. E continua sendo – só que com uma roupagem, digamos, mais século XXI. Nos últimos tempos, os estudantes não se veem, ou melhor, se veem em uma tela; não folheiam livros, baixam arquivos; não escrevem em folhas de papel, digitam. Como tantas outras atividades no contexto das relações interpessoais, o estudo em grupo – ou colaborativo, para usar o léxico moderno – mudou para o ambiente sem paredes e sem fronteira que é a internet. “A interatividade virtual veio facilitar o exercício da atividade intelectual, estimulando habilidades altamente valorizadas em nosso tempo”, diz Rafael Parente, especialista em tecnologias educacionais.

A mudança de hábitos foi se dando aos poucos, no Brasil e no mundo, e hoje tirar dúvidas e trocar informações em rede é a regra. Segundo recente pesquisa de um site especializado, 73% dos universitários brasileiros usam a rede social e 58% utilizam serviços de mensagem de texto para estudar. Só 5,6% persistem na presença física dos colegas. Esse novo padrão consolida o papel da internet como fórum privilegiado de disseminação da aprendizagem fora dos muros escolares, superando as resistências iniciais quanto à confiabilidade do conteúdo de um mundo virtual sem regras nem leis. Um dos mais destacados indicadores do fenômeno é a multiplicação dos cursos on-line gratuitos de universidades de primeiríssima linha, que vêm estimulando a formação de classes globais com alunos na casa das centenas de milhares. A troca de conhecimentos pela internet estimula benefícios que o estudo em grupo sempre ofereceu, só que em escala muito maior. “Dialogando com desconhecidos e destrinchando uma montanha de informações, o estudante desenvolve a capacidade de produção em equipe, de liderança e de autonomia”, enfatiza o americano Ray Schroeder, diretor do Centro de Aprendizado, Pesquisa e Serviço On-line da Universidade de Illinois.

Conexão para aprender

Como todas as atividades sociais, o estudo em grupo pela internet é regido por leis não escritas, mas essenciais para seu bom andamento. A seguir, um roteiro básico para tirar o melhor proveito.

Conexão para aprender - Como todas as atividades sociais, o estudo em grupo pela internet é regido por leis não escritas, mas essenciais para seu bom andamento. A seguir, um roteiro básico para tirar o melhor proveito Conexão para aprender – Como todas as atividades sociais, o estudo em grupo pela internet é regido por leis não escritas, mas essenciais para seu bom andamento. A seguir, um roteiro básico para tirar o melhor proveito

Conexão para aprender – Como todas as atividades sociais, o estudo em grupo pela internet é regido por leis não escritas, mas essenciais para seu bom andamento. A seguir, um roteiro básico para tirar o melhor proveito (/)

Para ler a continuação dessa reportagem compre a edição desta semana de VEJA no IBA, no tablet, no iPhone ou nas bancas.

Outros destaques de VEJA desta semana