Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

MEC endurece regras de correção do Enem

Gracinhas na redação, como receita ou hino de clube, serão punidas com a nota zero

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, anunciou nesta quarta-feira novas regras para a correção da redação do Enem: a partir do próximo exame quem apresentar parte do texto deliberadamente desconectada com o tema proposto terá a redação anulada; desvios gramaticais ou de convenções de escrita serão aceitos como excepcionalidade e quando não caracterizarem reincidência; e discrepâncias na nota total maiores de 100 pontos implicarão em uma terceira correção (em 2011 a terceira correção dependia de uma diferença de correção igual ou maior que 300, e em 2012 maior que 200).

A medidas anunciadas pelo ministro foram tomadas após a divulgação de provas em que alunos escreveram textos desconexos com o tema apresentado. No último Enem um aluno chegou a incluir o hino do Palmeiras e mesmo assim teve 500 pontos de 1.000 pontos possíveis. Com a mudança, casos como esse levarão à anulação da prova.

Leia também:

Enem: redações debochadas expõem fragilidade do sistema de correção

MEC diz que redação com receita de macarrão não fugiu ao tema

Hino do Palmeiras rende 500 pontos na redação do Enem

Apenas receberão a nota máxima na redação (1.000 pontos) os alunos que demonstrarem total domínio da norma culta da língua portuguesa. Quando o candidato não respeitar o tema proposto terá a prova anulada. “Se houver alguma inclusão desconectada, a nota será zero. Estamos apresentando um maior rigor em relação a essas inserções”, disse Mercadante.

A rigidez apresentada no edital de 2013 estende-se aos avaliadores das provas. Eles serão monitorados em 33 requisitos em avaliação on-line. Serão eliminados da correção do exame os professores que apresentarem desempenho inferior a 7, em uma escala de 0 a 10. No ano passado, quando 360 corretores foram desclassificados, a eliminação ocorria com nota abaixo de 5. Os avaliadores passarão a receber 3 reais por prova corrigida – um aumento de 65 centavos em relação aos testes anteriores.

Apesar das discussões causadas pelas redações, Mercadante disse que a última edição do Enem teve bastante êxito. “Nós tivemos um universo de mais de quatro milhões de inscritos. É o único exame do país que devolvemos todas as provas, com cada uma das cinco competências. O êxito foi muito positivo”, disse o ministro da Educação. “Seis redações foram debatidas publicamente. É um nível de preocupação muito específico.”

Inscrição – A próxima edição do Enem acontecerá nos dias 26 e 27 de outubro. O edital, que será publicado nesta quinta-feira, estipula o período de inscrição entre 13 e 27 de maio. Uma outra novidade apresentada por Mercadante é a isenção da matrícula para alunos egressos da rede pública com renda familiar igual ou superior a 1,5 salário mínimo. Até o ano passado, o limite era de um salário mínimo (678 reais). Não pagarão a taxa de inscrição todos os alunos que concluírem o ensino médio em escola pública.