Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Estudo do Ipea mostra que 60% dos universitários trabalham

Segundo instituição, levantamento feito em São Paulo e em Brasília é representativo da realidade dos estudantes de nível superior do Brasil

Uma pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) em duas cidades brasileiras mostrou que 58,3% dos jovens universitários conciliam trabalho e estudo. Desses, 52% declararam exercer atividade remunerada, enquanto 6,3% não recebem nada pelo trabalho. Do outro lado, 27,1% não trabalham e 13,3% afirmaram que estão à procura de emprego.

O estudo foi conduzido nas cidades de Brasília e São Paulo. Em cada local, foram ouvidos jovens universitários com idades entre 18 e 24 anos de uma instituição pública e duas privadas, totalizando 2.400 estudantes. Os resultados da pesquisa foram apresentados nesta terça-feira. O Ipea afirma que o levantamento constrói um “retrato crível” do perfil do jovem universitário brasileiro. “Procurou-se uma amostra diversificada, que representasse a diversidade da população com acesso ao ensino superior”, diz o instituto.

Leia também:

Número de universitários brasileiros cresce quase 6%

CGU aponta ‘sistemática de atrasos’ em obras das universidades federais

Cerca de 80% dos universitários ouvidos possuem pais que completaram o ensino médio e aproximadamente 30% são filhos de universitários formados. Os números superam as médias nacionais. Afinal, de acordo com dados do Censo demográfico de 2010, entre a população com 25 anos ou mais, a participação de pessoas sem instrução ou com ensino fundamental incompleto é de 49,3%; apenas 11,3% da população nessa faixa etária tem curso superior.

O levantamento do Ipea mostra ainda que os universitários enxergam no estudo uma forma de ascensão acadêmica. Ao ingressar na universidade, cerca de metade dos entrevistados ultrapassa seus pais no grau de escolaridade.

Por fim, o estudo do Ipea mediu o grau de satisfação dos universitários com o curso superior: 82,8% afirmaram que não desejam trocar de carreira ao longo da graduação. Além disso, 14,1% frequentam o segundo curso: não obtiveram êxito na primeira escolha e mudaram de carreira ao longo dos estudos.

De acordo com o Censo da Educação Superior 2011, o Brasil tem atualmente 6,7 milhões de universitários. Do total de alunos de graduação, 73,7% estão em instituições particulares. As entidades federais respondem por 15,3% do total de estudantes matriculados, as estaduais por 9,1%, e as municipais, 1,7%.

Leia também:

Número de universitários brasileiros cresce quase 6%

CGU aponta ‘sistemática de atrasos’ em obras das universidades federais