Clique e assine a partir de 8,90/mês

Estatais recusam egressos de cursos tecnológicos

Apesar do aumento da oferta desses cursos companhias como Petrobras excluem os tecnólogos dos editais de seus concursos públicos

Por Da Redação - 20 out 2010, 10h25

Profissionais formados em cursos superiores tecnológicos – como os da Fatec (Faculdade de Tecnologia de São Paulo) – enfrentam dificuldades de acesso ao mercado de trabalho por não terem o título de bacharel. Apesar dos discursos favoráveis de governos e especialistas, as empresas estatais, como Petrobras, Caixa Econômica Federal, Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) e o Metrô, excluem os tecnólogos dos editais de concurso público.

A oferta de cursos superiores tecnológicos vem crescendo no país, em grande parte incentivada pelos governos federal e estaduais. Em apenas dois anos, de 2006 a 2008, o número de vagas desses cursos cresceu 45%, segundo os dados mais recentes do Censo da Educação Superior do Instituto de Pesquisas Educacionais (Inep). Os alunos da graduação tecnológica representam 10% do total de matriculados no ensino superior.

Um dos motivos da exclusão dos tecnólogos dos quadros de funcionários é a lentidão no processo de mudança de algumas companhias, acredita a professora de gestão de pessoas da Fundação Getúlio Vargas Anna Cherubina Scofano. “Temos alguns elefantes brancos que não se atualizam. Seria preciso mexer em práticas já institucionalizadas e fazer uma análise de mercado e dos cursos”, afirma. “Mas grande parte do mercado aceita bem, porque dá enfoque para as competências.”

Para o presidente do Sindicato dos Tecnólogos, Décio Moreira, a reserva de mercado de outras categorias também causa dificuldades aos formados. “A empregabilidade dos cursos é alta, mas a questão é o tipo de responsabilidade que nos deixam assumir. Um tecnólogo está completamente apto em sua área de formação, mas nem sempre isso é reconhecido”, diz.

O coordenador de Ensino Superior do Centro Paula Souza (que mantém as Fatec), Angelo Luiz Cortelazzo, diz que a dificuldade com os órgãos de classe é natural. “Toda nova profissão tem dificuldade em se estabelecer. Isso vai melhorar com a ocupação dos espaços corporativos pelos tecnólogos.” Ele acredita que uma postura mais correta das instituições de ensino também ajudaria a classe. “Às vezes são as próprias faculdades que fazem propaganda dos cursos de tecnologia como “rapidinho”, dizem que você pode em seguida fazer uma graduação “plena””, critica.

Defesa – A Petrobras informa que não aceita tecnólogos em seus processos seletivos porque “para a empresa, existem diferenças nos diplomas de graduação de ensino superior, seja quanto à carga horária, seja quanto à abrangência de atuação”. “O currículo de bacharel atende à companhia, visto que contém disciplinas importantes para o exercício de atribuições na indústria do petróleo”, diz a nota.

A Caixa Econômica Federal explicou que abre concursos para técnico bancário, para os quais não há exigência de curso superior, e para carreiras como advogado, arquiteto, engenheiro. Nesses casos, “exige-se diploma” e também o registro em órgão de classe.

A EMTU informou que define o perfil profissional mais adequado às suas necessidades de pessoal, conforme permite a legislação vigente. “A condição de gestora e não de operadora do sistema intermunicipal de transportes faz com que cargos de graduação superior com maior carga horária sejam mais adequados à natureza da empresa”, afirma o texto enviado à reportagem. A Companhia do Metropolitano de São Paulo informou estar aberta à contratação de tecnólogos no futuro.

(Com Agência Estado)

Continua após a publicidade
Publicidade