Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bovespa tem alta de quase 2%

Boas notícias sobre algumas das principais economias do planeta, além de dados positivos a respeito da criação de empregos no país empurraram a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) nesta segunda-feira. O índice fechou em alta de 1,99%, aos 66.627 pontos. O dólar fechou em queda de 0,64%, a 1,71 real.

No mês, a Bovespa acumula variação positiva de 8,26% e, no ano, de 77,44%. O giro financeiro somou 10,233 bilhões de reais. Desse total, 3,62 bilhões de reais decorreram do vencimento de opções sobre ações.

O fio condutor do mercado surgiu logo cedo, depois que o Japão anunciou um PIB duas vezes maior do que era previsto para o terceiro trimestre. A alta atingiu 1,2%, ante 0,6% estimado, em relação ao período imediatamente anterior. Anualizado, o número também surpreendeu: +4,8% ante +2,2% previsto.

Outra notícia vinda da Ásia e que também deu forças às ordens de compras nos pregões ao redor do mundo foi o compromisso, assumido pelos países participantes do Fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec, na sigla em inglês) no final de semana, de manterem os gastos para estimular as economias.

Isso elevou o apetite pelo risco e elevou a corrida pelas commodities, também favorecida pelo recuo do dólar. Os dados de vendas no varejo nos Estados Unidos coroaram a sessão de ganhos, ao superarem as projeções. O Departamento do Comércio reportou avanço de 1,4% nas vendas no comércio em outubro, mais que o 0,9% estimado pelos economistas. Apesar dessa alta, o número de setembro foi revisado em baixa, de -1,5% para -2,3%. Os investidores, no entanto, deixaram o dado ruim de lado, e isso também valeu para o índice Empire State, igualmente negativo. O dado divulgado pelo Federal Reserve Bank de Nova York caiu para 23,51 em novembro, abaixo da previsão de analistas, de 28,65.

No Brasil, além do sinal positivo vindo do exterior, a alta das commodities, sobretudo as metálicas, garantiu ganhos robustos à Bovespa. Vale foi o destaque da sessão, ao lado de siderúrgicas, por conta do início das negociações em torno do reajuste do minério de ferro. Além disso, o Ministério do Trabalho divulgou que o país criou 230.956 empregos com carteira assinada em outubro. É o melhor resultado da série histórica, que começou em 1992.

(Com Agência Estado)