Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ampliar acesso à pré-escola ainda é desafio para o Brasil

Constatação está presente em relatório da OCDE

Relatório divulgado nesta terça-feira pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) aborda a falta de vagas em creches e em escolas de educação infantil brasileiras, problema comum nas grandes cidades. De acordo com o estudo, apesar de o Brasil ter aumentado as taxas de escolarização nessa fase, as taxas de atendimento são bem menores do que as registradas na média dos países considerados.

Leia mais:

Relatório da OCDE: com mais dinheiro, educação brasileira decepciona

O percentual das crianças de 3 anos de idade matriculadas em creches subiu de 21%, em 2005, para 32%, em 2010, número bem abaixo da média dos países da OCDE, que é de 66%. O mesmo se repete na escolarização de crianças de 4 anos. Apesar de o Brasil ter aumentado de 36% para 55% o percentual de atendimento, o índice é bem menor que os 81% da OCDE.

“Na comparação com os outros países, o Brasil é um dos que têm maior disparidade entre os investimentos no ensino superior em relação à educação infantil”, explica Eduardo Queiroz, presidente da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal. “Ao fazer isso, o país ignora que o investimento na primeira infância é o melhor que se poderia fazer.”

Queiroz cita um estudo do economista James Heckman e do professor Flávio Cunha que mostra que 93% da diferença de desenvolvimento cognitivo aos 13 anos de idade já está presente aos 5. Eles mostraram que intervenções educacionais feitas durante a primeira infância com crianças de baixa renda possuem taxa de retorno bem superiores a investimentos feitos em idades posteriores.

Trata-se de uma das metas do Plano Nacional de Educação, que prevê universalizar, até 2016, o atendimento da população de 4 e 5 anos, e ampliar, até 2020, a oferta de educação infantil para atender a 50% da população de até 3 anos.

Leia mais:

Relatório da OCDE: com mais dinheiro, educação brasileira decepciona

(Com Agência Estado)