Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Saab garante que entregará primeiros caças em 2018

Dilma e presidente do fabricante dos caças se reuniram pela primeira vez depois do anúncio da escolha do avião sueco para equipar a Aeronáutica

O presidente da fabricante de caças Saab, Håkan Buskhe, confirmou nesta sexta-feira que a empresa está comprometida a entregar 36 caças ao Brasil a partir de 2018 e que espera um acordo final em menos de doze meses. O executivo se reuniu com a presidente Dilma Rousseff, no primeiro encontro entre o governo e a cúpula da empresa desde o anúncio da escolha do avião sueco em Brasília.

“Vamos honrar o que oferecemos”, afirmou Buskhe. “Nossa oferta inclui a transferência de tecnologia e vamos cumprir isso”, disse. “Vamos começar já a negociar e plantas vão ser erguidas”, acrescentou o executivo. “Queremos uma parceria estratégica com o Brasil”, insistiu. No dia 29 de janeiro, a Embraer e a Saab se reúnem no Brasil para começar a detalhar a parceria.

Leia mais:

“O Gripen é ótimo. A concorrência está falando besteira”, diz Saab

Caças: ações da Saab disparam após acordo com Brasil

Dilma toma decisão sobre os caças: comprará o Gripen da Suécia

A Saab quer um acordo no prazo mais rápido. “Não vamos esperar. Estamos discutindo com o cliente”, disse. O executivo acredita que um acordo final pode ser assinado em menos de doze meses. Mas se recusou a falar se preferiria que o entendimento com Dilma fosse fechado antes das eleições.

Um dos pontos a ser debatido é como entregar os 36 aviões para o Brasil e ainda atender a Força Aérea sueca, que também já havia feito encomendas para 2018. “Provavelmente podemos entregar ambos. Mas é uma discussão que teremos de ter com o Brasil”, disse.”O ritmo será determinado pelo Brasil”, afirmou.

Ele admite que existe a possibilidade de que modelos mais simples do Gripen sejam alugados ao Brasil enquanto as entregas do produto final não ocorrem. Mas explica que essa será uma negociação entre os governos de Dilma e da Suécia. “Não temos aviões disponíveis”, afirmou.

Leia ainda:

​A substituição dos caças: uma história de mais de duas décadas

(com Estadão Conteúdo)