Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Mesmo com a retração econômica, Copom eleva Selic a 13,75%

Trata-se do sexto aumento seguido da Selic, que permanece no maior patamar desde dezembro de 2008

Por Da Redação
Atualizado em 5 jun 2024, 02h07 - Publicado em 3 jun 2015, 20h19

O Banco Central (BC) elevou a taxa básica de juros em 0,50 ponto porcentual nesta quarta-feira, para 13,75% ao ano, em linha com as expectativas do mercado. A decisão, sem viés, foi unânime. Em comunicado, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC afirmou que “avaliando o cenário macroeconômico e as perspectivas para a inflação”, decidiu, por unanimidade, elevar a taxa Selic.

Votaram por essa decisão os seguintes membros do Comitê: Alexandre Antonio Tombini (Presidente), Aldo Luiz Mendes, Altamir Lopes, Anthero de Moraes Meirelles, Luiz Awazu Pereira da Silva, Luiz Edson Feltrim, Otávio Ribeiro Damaso, Sidnei Corrêa Marques e Tony Volpon.

Trata-se do sexto aumento seguido da Selic, que permanece no maior patamar desde dezembro de 2008, quando chegou a 13,75% ao ano. Na reunião de abril, a autoridade monetária já havia aumentado a Selic em 0,50 ponto, a 13,25%.

O mercado já vinha se preparando para um ajuste dessa magnitude, após autoridades do BC repetirem em diversas ocasiões que os avanços no combate à inflação ainda se mostravam insuficientes. O BC iniciou o ciclo de aperto monetário em outubro, logo após as eleições presidenciais, elevando inicialmente a Selic em 0,25 ponto porcentual, a 11,25% ao ano. Em todas as reuniões do Copom subsequentes o aumento foi de 0,50 ponto porcentual.

Leia mais:

Copom eleva Selic em 0,5 ponto – a 13,25% ao ano

Continua após a publicidade

Juro do cheque especial atinge 220,4% ao ano, diz BC

Nem mesmo os dados ruins que saíram nos últimos dias foram suficientes para dissuadir o Copom de elevar novamente os juros. Os dados da produção industrial divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostraram queda de 1,2% em abril ante março, na série com ajuste sazonal. Na comparação com abril de 2014, a produção recuou 7,6%, ante mediana de -7,95%. Já o desemprego avançou para 8% em abril, segundo dados da Pnad Contínua.

A elevação também ocorre menos de uma semana após a divulgação do Produto Interno Bruto (PIB), que apontou retração econômica de 0,2% no primeiro trimestre do ano.

Apesar de os dados econômicos indicarem que a trajetória de queda da inflação não está distante de começar, o BC mantém o foco em derrubar a taxa. Em abril, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 0,71%. Nos quatro primeiros meses deste ano, a inflação somou 4,56% e, em doze meses até abril, totalizou 8,13% – a maior desde dezembro de 2003.

LEIA TAMBÉM:

Desemprego no país sobe 23% em um ano

Brasil fechou 97.828 vagas de trabalho em abril

A ata da última reunião do Copom, divulgada no início de maio, avaliava que, mesmo diante da retração econômica, haveria uma certa persistência da inflação. O colegiado alegava que, no curto prazo, o processo de realinhamento dos preços administrados, como os da energia, também refletiria na alta dos preços.

A atuação do BC vem sendo bem sucedida quando se leva em conta sua tentativa de ancorar as expectativas do mercado em relação à inflação. Os últimos boletins Focus, que reúnem estimativas de analistas para o IPCA para 2015 e 2016, já mostram a inflação recuando a 5,5% no final do ano que vem, apesar de os números deste ano se manterem em alta. O mercado espera que a inflação termine dezembro em 8,39%. Contudo, os mesmos analistas preveem que o centro da meta de inflação, de 4,5%, deverá ser atingido somente em 2019.

(Da redação)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.