Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Mantega: Brics definirão contribuição ao FMI em 2 meses

Por Da Redação
20 abr 2012, 12h42

Por Walter Brandimarte

WASHINGTON, 20 Abr (Reuters) – O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta sexta-feira que um acordo para elevar o poder de fogo do Fundo Monetário Internacional (FMI) em 400 bilhões de dólares está próximo. Ele ressalvou, porém, que os países dos Brics -grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul- determinarão sua contribuição apenas nos próximos dois meses e que dependerá de reformas no fundo.

“Os países dos Brics não vão especificar os valores que cada um vai colocar. A questão é como se chega nesses 400 bilhões de dólares, e isso será definido em princípio até a próxima reunião, daqui a dois meses. Nesse período, cada país vai definir quanto vai colocar”, disse o ministro.

Mantega destacou, entretanto, que a contribuição dos Brics está sujeita ao cumprimento das condições estabelecidas por esses países. “Qual seja, continuar com a reforma, cumprir as datas da reforma (das cotas) e mudar a fórmula”, completou ele.

Essa postura vem sendo mantida pelo Brasil há tempos. Na segunda-feira, o ministro já havia dito que o Brasil não injetaria mais recursos no FMI enquanto não houvesse sinais mais claros de reformas dentro do organismo e que abram mais espaço aos países emergentes.

Continua após a publicidade

A diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, quer que pelos menos 400 bilhões de dólares sejam injetados no FMI, a fim de lidar com a crise de dívida da zona do euro. A expectativa é que os comprometimentos sejam definidos em reunião nesta sexta-feira do G20 -grupo formado pelas principais economias do mundo.

“É provável que haja um acordo em torno de um valor de 400 bilhões de dólares como um novo aporte a ser feito para o FMI. Já existe uma lista com 300 e poucos bilhões”, completou Mantega nesta sexta-feira.

O apoio de Rússia, China e Brasil é crucial para atingir o volume ao FMI. Europa e Japão já prometeram 320 bilhões de dólares, enquanto que a China pode contribuir com 60 bilhões de dólares.

O FMI vem alertando que a crise da dívida da zona do euro apresenta o risco mais grave à expansão da economia global, e mercados financeiros temem que Espanha e Itália possam ser os próximos a pedir resgates, na linha do que fizeram Grécia, Irlanda e Portugal.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.