Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Justiça nega pedido de bloqueio de bens de Eike Batista

Para juíza Maria Isabel Paes Gonçalves, a medida poderia agravar a situação da petroleira OGX

Por Da Redação 11 jul 2013, 21h07

A Justiça do Rio indeferiu o pedido de liminar do acionista minoritário da petroleira OGX, Márcio de Melo Lobo, para o bloqueio dos bens do empresário Eike Batista, controlador da companhia. No pedido, Lobo cita a crise da petroleira para alegar que a empresa está em situação financeira de risco e a indisponibilidade dos bens de seu controlador seria uma garantia contra futuros danos.

Em sua decisão, a juíza da 5ª Vara Empresarial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), Maria Isabel Paes Gonçalves, afirmou que a situação da OGX se mostra difícil e impõe a adoção de medidas por seus administradores. No entanto, considerou que tornar os bens da companhia indisponíveis seria uma intervenção do Judiciário na atividade da empresa e que exigiria uma apuração mais detalhada.

Para a juíza, o bloqueio de bens poderia agravar a situação da OGX. “No momento, convenci-me de que a indisponibilidade dos bens da sociedade não se mostra adequada, vez que poderá gerar mais problemas do que solução”, disse na sentença. Maria Isabel também vetou a medida liminar contra Eike Batista por considerar que não é possível imputar ao empresário conduta que justifique o bloqueio de seus bens.

Leia também:

Minoritário da OGX pede bloqueio de bens de Eike

Eike reduz mais sua participação na OGX

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade