Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Governo estuda estimular a repatriação de fortunas

Medida foi apresentada por senadores da base aliada para o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, que ficou de avaliar a viabilidade da proposta

Por Da Redação
Atualizado em 5 jun 2024, 01h37 - Publicado em 12 jun 2015, 10h57

Para destravar a reforma do ICMS, o governo e senadores da base aliada avaliam adotar uma medida controversa para compensar as perdas de arrecadação dos Estados com a mudança do imposto: estimular por meio de vantagens tributárias a repatriação de fortunas no exterior que não tenham sido declaradas à Receita Federal, informa nesta sexta-feira o jornal Estado de S. Paulo.

A ideia ainda é embrionária e prevê usar a arrecadação com essas operações para criar fundos que compensem as perdas de receitas ligadas à redução das alíquotas do ICMS, o principal tributo que alimenta os caixas dos Estados. Garantir contrapartidas é condição para que os governadores apoiem a reforma do ICMS.

Leia também:

Barbosa confirma intenção do governo de elevar imposto sobre herança

Governo estuda a criação de imposto para taxar doações e heranças

Continua após a publicidade

A medida foi apresentada ao ministro da Fazenda, Joaquim Levy, por lideranças do Senado durante um café da manhã nesta semana. A princípio, Levy propôs a criação de um novo imposto sobre serviços – nos moldes da Cide (Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico), cobrado sobre o preço dos combustíveis -, mas a proposta foi descartada pelos políticos.

“Foi levantada a possibilidade de criação de uma Cide sobre serviços, mas automaticamente todos nós dissemos que não há clima no Brasil para ampliar a carga tributária”, afirmou o senador Eunício Oliveira, líder da bancada do PMDB.

Com a recusa, os senadores sugeriram a Levy resgatar um projeto que tramitou no Senado e foi arquivado no fim do ano passado. O projeto visava trazer de volta ao Brasil grandes volumes de recursos depositados no exterior. No texto, havia um estudo feito pela organização britânica Tax Justice Network, que chegou a estimar que os brasileiros mantinham 52 bilhões de dólares em paraísos fiscais, em 2010.

Pela repatriação, os contribuintes teriam uma redução na tributação do Imposto de Renda (IR) e não poderiam ser punidos criminalmente pelo período em que movimentaram no exterior quantias não reportadas ao Fisco.

Continua após a publicidade

Segundo três participantes da conversa ouvidos pelo jornal, Levy ficou de estudar a ideia. Levantou-se na reunião, contudo, alguns questionamentos, como, por exemplo, evitar que recursos provenientes de corrupção e tráfico de drogas e armas sejam repatriados legalmente. “Vários países fizeram isso com sucesso, separando o joio do trigo”, afirmou um dos integrantes.

Leia também:

Em peregrinação na Fiesp, Levy ouve críticas sobre aumento de impostos

Levy: Ajuste fiscal não é ‘derrama de impostos’

Continua após a publicidade

(Da redação)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.