Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Fundo estatal assumirá Malaysia Airlines e quer “revisão completa” da companhia

Após dois acidentes com aviões em quatro meses, empresa aérea vive momento de turbulência e vai fechar capital

Por Da Redação 8 ago 2014, 15h21

O governo da Malásia vai realizar uma “revisão completa” na sua companhia aérea nacional em uma tentativa de reavivar a deficitária companhia após ela sofrer dois desastres aéreos em apenas quatro meses. O fundo estatal Khazanah Nasional vai assumir o controle da Malaysia Airline e está oferecendo 436 milhões de dólares por mais ações da empresa – ele já possui uma fatia. O investidor disse que precisará de cooperação “de todos os envolvidos” para realizar a reestruturação.

O primeiro passo será deixar também a bolsa de valores. A intenção do governo é fechar seu capital para amenizar sua exposição à volatilidade do mercado de ações e promover as mudanças internas mais rapidamente.

A ideia é reestruturar operações, cortar gastos e mudar a gestão dos negócios da empresa. É possível que rotas menos rentáveis deixem de existir, a folha de pagamentos seja reduzida com demissões e novos executivos assumam a direção.

Uma mudança completa da imagem corporativa da companhia aérea, que divulgou prejuízo nos últimos três anos, pode também ser considerada, uma vez que ela precisa lidar com a confiança abalada do consumidor após as duas tragédias. As vendas da companhia caíram bastante, devido à crise de confiança que se formou ao redor da possibilidade de acidentes.

Leia também:

Australiana perde parentes nos dois desastres da Malaysia Airlines

Continua após a publicidade

Vídeos mostram local da queda de avião da Malaysia Airlines na Ucrânia

Cronologia: avião desaparecido da Malaysia Airlines

Os problemas da Malaysia começaram em 8 de março, com o desaparecimento do voo MH370 com 239 passageiros e equipe. A crise da companhia aérea se aprofundou em 17 de julho, quando outra aeronave, o voo MH17, foi abatido no espaço aéreo da Ucrânia, matando todas as 298 pessoas a bordo.

Logo após o segundo acidente, o analista financeiro Mohshin Aziz, especialista em setor aéreo, disse em entrevista à rede alemã Deutsche Welle que a falência seria factível. Ele lembrou que nunca, em 100 anos de história da aviação, uma companhia aérea precisou lidar, em tão pouco tempo, com dois desastres da magnitude que a Malaysia enfrentou. “O futuro da companhia parece desastroso, e o recente incidente na Ucrânia vai tornar as coisas ainda piores. Eu não sei como a Malaysia Airlines poderá sobreviver no curto prazo”, afirmou o analista.

Ele também comentou que a falta de confiança de passageiros gerada após a queda dos dois Boeings 777 – voos MH370 e MH17 – “já é uma realidade” e que em alguns lugares, como Austrália e China, o preço de passagens já caiu. “Se a percepção de segurança não estiver presente, você pode reduzir o preço o quanto quiser que a demanda continuará fraca.”

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês