Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Bolsas europeias têm a pior queda diária em 19 meses

O resultado negativo teria sido motivado por uma redução do estímulo monetário norte-americano e sinais de fraqueza da economia chinesa

Por Da Redação
20 jun 2013, 15h51

As ações europeias registraram a pior queda diária em 19 meses, afetadas pela perspectiva de redução do estímulo monetário dos Estados Unidos e pelos novos sinais de fraqueza da economia da China.

O índice FTSEurofirst 300 caiu 3,07%, para 1.143 pontos, após o banco central dos EUA ter dito na quarta-feira que um crescimento mais forte da economia norte-americana significaria uma provável redução das compras de ativos ainda neste ano.

O índice FTSE 100, de Londres, recuou 2,98%, a 6.159,51 pontos. Em Frankfurt, o DAX 30 caiu 3,28%, a 7.928,48 pontos, enquanto em Paris, o CAC 40 teve queda de 3,66%, fechando a 3.698,93 pontos.

Leia também:

Preços de commodities têm maior queda em 18 meses

Continua após a publicidade

Mesmo com leilão do BC, dólar atinge R$ 2,27

O programa de estímulos do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), assim como as medidas similares dos bancos centrais globais, tem ajudado a conduzir um avanço nas bolsas europeias de 20% no ano, até o momento, mesmo com o encolhimento da economia doméstica e a queda das expectativas de lucro das empresas.

O resultado dos mercados europeus nesta quinta-feira evidenciou a queda mais forte desde novembro de 2011 e mostrou ganhos em apenas 17 das 601 ações listadas no índice STOXX Europe 600. Todos os índices setoriais fecharam em território negativo.

Os índices dos setores de mineração, automóveis e bens de consumo fecharam em baixa entre 3,9% e 4,3%, após dados mostrarem que a atividade industrial na China, o maior consumidor de metais do mundo e cliente essencial dos exportadores europeus, apontou para desaceleração mais forte no segundo trimestre do ano.

Continua após a publicidade

Leia também:

Bovespa segue bolsas americanas e cai; dólar fica estável

UE prevê aumentar pressão sobre Espanha e França

(com agência Reuters)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.