Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Venda de e-books cresce consolidando hábito da pandemia

Pesquisa aponta que setor editorial segue em expansão, enquanto conteúdo digital registrou acréscimo de 12%

Por Gabriela Caputo 17 Maio 2022, 16h50

Durante a pandemia, o mercado editorial apresentou um inesperado e significativo crescimento. Com as pessoas passando mais tempo dentro de casa, o período antes dedicado ao deslocamento pôde ser empenhado em outras atividades, dentre elas a leitura. Nesse cenário, o consumo de formatos digitais, como os e-books e os audiolivros, também escalou. A reabertura gradual do comércio, por sua vez, impulsionou ainda mais o mercado livreiro. Em 2021, foram 55 milhões de cópias de livros vendidas, um crescimento de quase 30% em relação ao ano anterior, 2020. Mesmo agora, com os efeitos da pandemia atenuados e o retorno das pessoas às suas rotinas pré-pandêmicas, o setor continua aquecido.

Segundo as pesquisas Produção e Vendas e Conteúdo Digital do Setor Editorial Brasileiro, coordenadas pela Câmara Brasileira do Livro (CBL) e pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e com levantamentos produzidos pela Nielsen Book, o movimento é de expansão. No digital, “a expectativa de um grande crescimento na participação do e-book nas vendas totais não se concretizou, apesar do significativo avanço nominal”, disse o presidente do SNEL, Dante Cid, em comunicado.

Segundo a pesquisa de Conteúdo Digital, o faturamento total destrinchado entre vendas de e-books, audiolivros e outras plataformas de conteúdo digital — registrou acréscimo nominal de 23%, e de 12% em termos reais: foram 180 milhões de reais em 2021, contra 147 milhões em 2020. Desses 180 milhões, foram 125 milhões de reais em vendas de e-books individuais (9,4 milhões de unidades vendidas, sendo 98% representado por e-books e 2% por audiolivros) e 56 milhões em outras plataformas, como bibliotecas virtuais e outros serviços de assinatura digital. No fim das contas, os dados fogem à tese de que o livro físico estaria com seus dias contados: o conteúdo digital continua representando apenas 6% do mercado editorial no país. A pesquisa mostra também que a contribuição de livrarias físicas e de livrarias exclusivamente virtuais foram parecidas no faturamento das editoras 29,95% e 29,86%, respectivamente. 

Os dados ainda revelam que, dentre os quatro grande subsetores do mercado, o de Obras Gerais está em crescimento pelo seu terceiro ano consecutivo. O acréscimo registrado foi de 14%, e de 3% se descontada a inflação. Enquanto isso, os subsetores de Religiosos e CTP (Científicos, Técnicos e Profissionais) também revelaram aumentos, enquanto o de Didáticos apresentou queda.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)