Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Sociólogo investiga faceta de burocrata do poeta Drummond

Em volume de ensaios, Sergio Miceli expõe como o emprego público e a relação com o poder moldaram o escritor — mas não macularam sua obra excepcional

Por Diego Braga Norte Atualizado em 20 jan 2022, 23h25 - Publicado em 22 jan 2022, 08h00
PETARDO LITERÁRIO - O autor: crítica à ditadura Vargas de dentro do governo -
PETARDO LITERÁRIO - O autor: crítica à ditadura Vargas de dentro do governo – Rogerio Reis/.

“Tive ouro, tive gado, tive fazendas. / Hoje sou funcionário público.” Os versos de Carlos Drummond de Andrade no poema Confidência do Itabirano tanto revelam como escondem dados biográficos. Eles demonstram as ligações do autor com sua terra, Minas Gerais, relembram agruras financeiras familiares, mas camuflam algo crucial para a biografia do poeta. Em 1940, quando o texto foi publicado, Drummond não era um simples “barnabé”, modo pejorativo de se referir aos servidores pouco graduados: ocupava um posto-chave na política cultural do Estado Novo (1937-1945), a ditadura comandada por Getúlio Vargas. Na época, acumulava a chefia de gabinete do Ministério da Cultura, a diretoria do Departamento Nacional de Educação e a presidência do Conselho Nacional de Educação. Em duas linhas, eis uma pequena síntese da obra drummondiana, que consegue como poucas denunciar mazelas sociais, crises existenciais, remoer memórias; mas muitas vezes dissimulando sentimentos e intenções.

LIRA MENSAGEIRA: DRUMMOND E O GRUPO MODERNISTA MINEIRO - de Sergio Miceli (Todavia; 264 páginas; 74,90 reais e 49,90 em e-book) -
LIRA MENSAGEIRA: DRUMMOND E O GRUPO MODERNISTA MINEIRO - de Sergio Miceli (Todavia; 264 páginas; 74,90 reais e 49,90 em e-book) – ./Divulgação

Ter sido alto funcionário público por quase toda a vida não constitui demérito para a carreira literária de um dos grandes poetas nacionais. Mas é um dado inescapável na compreensão de sua obra. “Esse fato vinha sendo ignorado ou relegado a segundo plano nas críticas e interpretações existentes”, afirma o sociólogo e ensaísta Sergio Miceli. Em Lira Mensageira: Drummond e o Grupo Modernista Mineiro”, ele apresenta três conjuntos de ensaios. O primeiro demonstra por meio de extenso levantamento bio e historiográfico como Drummond e outros autores mineiros tiveram de se aliar ao Estado para poderem progredir profissionalmente e como artistas. “A despeito de estilos pessoais de conduta e de personalidade, nenhum deles estava em condições de se esquivar das engrenagens de mobilidade”, escreve o ensaísta. As outras duas partes contêm textos sobre o modernismo paulista e sobre o reordenamento da classe política na Era Vargas. A linha que amarra a obra é a quase inexistente fronteira entre as elites política, econômica e intelectual — que muitas vezes se confundiam nas mesmas famílias ou pessoas.

Lira mensageira: Drummond e o grupo modernista mineiro

Oriundo de um clã de fazendeiros falidos, Drummond viu os pais dilapidarem suas posses, inclusive o casarão azul dos bisavós, “talvez a mais imponente das casas de Itabira”. O pouco que sobrou foi destinado aos dotes das irmãs do escritor. Impossibilitado de cursar direito — caminho mais seguro para um emprego público — por ter sido expulso do colégio, o jovem Drummond ingressou na faculdade de farmácia, que o dispensou de apresentar o atestado de conclusão do colegial. A formação heterodoxa para um escritor foi quase sempre tratada como episódio anedótico em sua biografia. Mas, para Miceli, o diploma de nível superior, ainda que não fosse de bacharel em direito, “era indispensável à rapaziada atenta às oportunidades de acesso à elite mineira”.

Continua após a publicidade

Vasto mundo

Assim, Drummond e outros jovens escritores que costumavam se reunir no Café Estrela, em Belo Horizonte — como Cyro dos Anjos, Pedro Nava, e João Alphonsus —, valeram-se de ferramentas sociais arraigadas na sociedade brasileira de então e de hoje: o nepotismo e as amizades com pistolões. “Tento reconstruir a elite política da época para mostrar que esse local da gênese é determinante de todo o resto. Drummond e os outros escritores não tinham saída, mas o interessante na obra dele é a resposta criativa a esse contexto político e social”, disse Miceli a VEJA (leia a entrevista).

Drummonianas: variações em torno de temas e poemas de Carlos Drummond de Andrade

Quando o livro Sentimento do Mundo foi lançado, em 1940, nenhum intelectual desconhecia a repressão do governo — prisões, torturas, censura. Mas, mesmo resguardado no protetorado do influente ministro da Educação, o mineiro Gustavo Capanema, o autor lançou seu petardo poético e político com apenas 150 edições. Para Miceli, um rasgo crítico, ainda que tímido, “assinado por homem forte da política cultural oficial”. Cinco anos depois, já fora do governo, Drummond publica A Rosa do Povo, obra que dobra a aposta no realismo e dá à poesia o caráter “de libelo, de coletivo”. Carlos poderia ter sido apenas um diligente burocrata, como muitos outros aspirantes a artista aboletados no governo. Mas, gauche na vida, foi Drummond.

Publicado em VEJA de 26 de janeiro de 2022, edição nº 2773

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Lira mensageira: Drummond e o grupo modernista mineiro
Lira mensageira: Drummond e o grupo modernista mineiro
Vasto mundo
Vasto mundo
Drummonianas: variações em torno de temas e poemas de Carlos Drummond de Andrade
Drummonianas: variações em torno de temas e poemas de Carlos Drummond de Andrade

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês