Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Rainha Elizabeth II retira honraria de Harvey Weinstein

Ex-produtor foi destituído da homenagem em função de sua condenação por estupro e abuso sexual, e será apagado dos registros da ordem da coroa britânica

Por Amanda Capuano Atualizado em 18 set 2020, 13h37 - Publicado em 18 set 2020, 11h02

A Rainha Elizabeth II anulou a honraria de Commander of the Order of The British Empire (Comandante da Ordem do Império Britânico, em tradução literal) atribuída ao ex-produtor Harvey Weinstein em 2004 pela coroa britânica. O título foi concedido como uma homenagem aos serviços prestados por Weinstein à indústria cinematográfica, e retirado em função de sua condenação por estupro e abuso sexual.

A decisão foi tomada recentemente em uma reunião do comitê de confisco de honras — um órgão independente que delega sobre homenageados que “ameaçam manchar a reputação do sistema de honrarias”. A anulação do CBE vem três anos depois de Weinstein perder o título de associado do Instituto de Filmes Britânicos (BTI), em 2017, ano em que estouraram as acusações contra ele.

Bob Weinstein, Harvey Weinstein, Sir Philip Thomas durante cerimônia de honraria em 2004 Sylvain Gaboury/Getty Images

”A Rainha anuncia que a nomeação de Harvey Weinstein como um comandante honorário da divisão civil da mais excelente ordem do império britânico, concebida em 29 de janeiro de 2004, está cancelada, e o seu nome deve ser apagado dos registros da ordem”, diz o comunicado, divulgado nesta sexta-feira 18, no The London Gazette – o jornal oficial do governo britânico. Além dele, a lista de desbancados da honraria inclui Rolf Harris, deposto em 2015 depois de condenado por agressão, e o ex-chefe-executivo do Royal Bank of Scotland, que perdeu o posto pela participação no colapso da instituição.

ASSINE VEJA

A vez das escolas Leia esta semana em VEJA: os desafios da retomada das aulas nas escolas brasileiras. E mais: Queiroz vai assumir toda a responsabilidade por ‘rachadinha’
Clique e Assine

Condenado em fevereiro pelo abuso da ex-assistente de produção Mimi Haleyi e pelo estupro da atriz Jessica Mann, o ex-todo poderoso de Hollywood foi sentenciado a 25 anos de prisão, e cumpre a pena em regime fechado. Os casos aconteceram, respectivamente, em 2006 e 2013.  Weinstein, no entanto, escapou da acusação mais severa contra ele, a de comportamento sexual predatório – que poderia culminar em uma prisão perpétua. Ele é acusado por mais de 80 mulheres por episódios de conduta sexual inapropriada, deflagrados pelo Mee Too. Em dezembro, o produtor ainda enfrenta um novo julgamento por estupro e abuso sexual, dessa vez na corte de Los Angeles, que pode aumentar seu tempo atrás das grades.

Continua após a publicidade

Publicidade