Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Prêmio Camões tem barraco entre Raduan Nassar e Roberto Freire

Durante cerimônia, ministro afirmou que o escritor não deveria aceitar a honraria, dada por um governo que ele considera ilegítimo

Por Da redação Atualizado em 17 fev 2017, 17h29 - Publicado em 17 fev 2017, 16h02

A entrega do Prêmio Camões, que aconteceu na manhã desta sexta-feira no Museu Lasar Segall, em São Paulo, foi marcada por discursos inflamados e troca de farpas. Segundo o jornal Folha de S.Paulo, o ministro Roberto Freire afirmou durante a cerimônia que o escritor Raduan Nassar não deveria aceitar o prêmio, no valor de 100.000 euros (330.000 reais, aproximadamente). “É um adversário recebendo um prêmio de um governo que ele considera ilegítimo”, disse Freire.

LEIA TAMBÉM: Luiz Schwarcz sobre barraco no Prêmio Camões: ‘Governo sai diminuído’

Enquanto falava, o ministro foi vaiado e interrompido por gritos de “Fora Temer!” da plateia. Fazendo uma referência ao discurso de Nassar, que havia classificado o impeachment de Dilma Rousseff como golpe, Freire rebateu: “Lamentavelmente, o Brasil assiste hoje a pessoas da nossa geração, que podiam dar testemunhos da sua experiência, que viveram um golpe verdadeiro, dando o inverso de todo esse testemunho”.

O ministro falou por último. Em seu discurso, Nassar elogiou Dilma e criticou o governo Temer, o ex-ministro da Justiça Alexandre de Moraes e a decisão do Supremo Tribunal Federal que permitiu que Moreira Franco virasse ministro. “Em sua decisão, o ministro [Celso de Mello] acrescentou um elogio superlativo a Gilmar Mendes por ter barrado Lula para a Casa Civil. Dois pesos e duas medidas”, disse, segundo a Folha. A fala do escritor terminou com a frase: “O golpe estava consumado. Não há como ficar calado”.

Continua após a publicidade

Roberto Freire também mirou em Marilena Chauí, que durante o discurso do ministro gritou “O silêncio é precioso”. Respondendo à filósofa, Freire disse que ela estava dizendo aquilo por ser “de classe média”, lembrando uma ocasião em 2013, quando Marilena disse que odiava a classe média.

No começo da tarde, o Ministério da Cultura divulgou um comunicado oficial sobre a cerimônia, criticando as manifestações durante o discurso de Roberto Freire:

“O Ministério da Cultura (MinC) lamenta, mais uma vez, a prática do Partido dos Trabalhadores em aparelhar órgãos públicos e organizar ataques para tentar desestabilizar o processo democrático. Durante a cerimônia de entrega do Prêmio Camões de Literatura, em São Paulo, o ministro da Cultura, Roberto Freire, teve sua fala interrompida por manifestantes partidários, sinal de desrespeito à premiação oficial dos governos de Brasil e Portugal.

Considerada a mais importante distinção da Língua Portuguesa, o prêmio concedeu 100.000 euros (sendo 50.000 euros arcados pelo MinC) ao escritor brasileiro Raduan Nassar.

O agraciado foi respeitado por todos durante sua fala, ao contrário do que ocorreu com o ministro da Cultura, interrompido de forma agressiva. Apesar de ser um adversário político do governo, Raduan recebeu o prêmio, legitimando sua importância. Uma premiação literária com essa dimensão não merecia esse comportamento intolerante de alguns, que tentaram partidarizar o evento.”

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês