Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

As melhores pamonhas da cidade são as da Pamonha Oeste

Após onze anos com o mesmo ganhador, surge um novo destaque na categoria

Por Daniel Salles 20 out 2018, 01h00

A pamonharia que conseguiu a proeza de destronar a Frutos da Terra, vencedora nas últimas onze edições de VEJA COMER & BEBER, nasceu de um pepino. Não da hortaliça, claro, mas de um problema com o qual Ermindo Gervasio Carneiro deparou há quase trinta anos. Dono de uma distribuidora de milho, ele por pouco não levou calote de uma pequena pamonharia. A solução foi assumir o negócio no lugar da dívida. A diferença entre o estabelecimento de hoje e o de origem é imensa. Agora, cerca de 30 toneladas de milho são mensalmente transformadas em 30 000 pamonhas. A produção diária começa às 10h e se repete a cada uma hora e meia, para não comprometer o frescor nem a consistência. A versão mais simples, acompanhada só de sal e queijo de minas (R$ 9,00), é a campeã disparada de pedidos. A mais complexa e também a mais nova, incluída no cardápio no ano passado, ganha recheio de queijo de minas, carne-seca apimentada, cheiro-verde e pedacinhos de milho cozido (R$ 10,50). Ideal para duas pessoas, o empadão goiano, com palmito, azeitona, milho, batata, filé de frango, cheiro-verde, queijo de minas e ovos, custa R$ 21,00. Entre uma mordida e outra, a clientela dá preferência aos sucos naturais como o de abacaxi com hortelã e o de cupuaçu (R$ 5,50 cada um). Para adoçar, o curau (R$ 6,00) se mostra escolha recorrente. Reproduzido na fachada, o slogan da pamonharia, “a primeira com catupiry”, refere-se à opção tradicional acrescida desse queijo (R$ 9,50). Foi uma forma sutil de criticar os concorrentes, que, segundo Carneiro, copiaram sua receita. Como sua distribuidora de milho abastece vários deles, se o empresário subisse o tom, talvez arranjasse outros pepinos. Avenida R-9, 124, Setor Oeste, ☎ 3291-4060 (130 lugares). 8h30/23h. Aberto em 1991.

2º lugar: Frutos da Terra

3º lugar: Pamonharia Caseira

Publicidade