Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

‘O Rei da TV’: os fatos e as fantasias da série sobre Silvio Santos

Série do Star+ abusa das licenças poéticas para narrar fatos da vida do ícone da TV brasileira

Por Kelly Miyashiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
19 out 2022, 14h39

Biografia não-autorizada, O Rei da TV estreou nesta quarta-feira, 19, no Star+, para contar com bastante licença poética a história de Silvio Santos. A série acompanha o começo de vida humilde de Senor Abravanel e sua trajetória até se tornar um dos maiores empresários do Brasil e símbolo incontestável da TV brasileira. Criada por André Barcinski, Ricardo Grynszpan e Marcus Baldini (que dirige a obra), a produção narra as manias do dono do bordão “Quem quer dinheiro”, momentos decisivos de sua carreira e coloca alguns personagens que não existiram, mas que seriam a junção de pessoas que trabalharam diretamente com o magnata da comunicação que começou a trabalhar como camelô. Inúmeros exemplos curiosos surgem em cena nos três primeiros episódios – os únicos, de um total de oito, a que VEJA teve acesso prévio.

O INÍCIO

Uma das primeiras histórias contadas em O Rei da TV é que Silvio Santos iniciou sua carreira de empreendedor como ambulante, vendendo canetas, ideia roubada de outro camelô. O adolescente, entretanto, começou vendendo capinhas para título de eleitor em 1946. A produção exibe um policial indicando Senor para uma vaga em uma rádio por ter se impressionado com a desenvoltura dele, mas a existência desse policial não é confirmada. De qualquer forma, o jovem de fato conseguiu um emprego paralelo como locutor de rádio, o que o levou a conhecer Manuel de Nóbrega (1913-1976).

BAÚ DA FELICIDADE

Continua após a publicidade

Na ficção, Silvio Santos teria dado uma de malandro para tomar de Nóbrega o controle do Baú da Felicidade. Porém, relatos indicam que o empresário deu de presente o carnê para o pupilo por ter dificuldades em gerir o negócio, que era voltado a pessoas dispostas a pagar mensalidades para obter produtos ao final de doze meses. Poderoso da Globo, Rossi (Celso Frateschi) é uma direta alusão a José Bonifácio, o Boni, com quem Silvio teria criado uma rivalidade instantânea e o responsável por tentar roubar Gugu do SBT.

A PRIMEIRA ESPOSA

Como mostrado na série, a primeira esposa do apresentador, Cidinha, realmente existiu e foi escondida por ele. Ela é mãe de Cintia, a primogênita de Silvio Santos, e foi com ela que o comunicador adotou Silvia. A dona de casa morreu aos 39 anos, em decorrência de um câncer, e o empresário achava a imagem de solteiro mais apelativa e agradável ao seu público feminino. Durante conversa com Hebe Camargo (1929-2012) em um programa de calouros em 1988, ele admitia ter se arrependido da forma como tratara Cidinha. “Eu acho que é uma das coisas imperdoáveis que eu fiz diante da minha imaturidade”, assumiu ele.

Continua após a publicidade

GUGU LIBERATO

Outro ponto curioso de O Rei da TV é o retrato da relação de Silvio Santos com Gugu Liberato (1959-2019), que é mostrado abertamente como homossexual e aparece até numa piscina com dois garotões. Segundo o criador André Barcinski, esta parte é baseada no que se falava dele na imprensa e nos bastidores. A produção também mostra que o empresário, com um grave problema nas cordas vocais, se recusara a passar seu posto para Gugu, já que os domingos eram dele e o louro então ocupava os sábados com o programa Viva a Noite (1982-1992), culminando em uma puxada de tapete e uma decisão impulsiva do empresário: colocar no ar reprises do Programa Silvio Santos. Tudo para evitar a ascensão de um “novo Silvio Santos” – postura que só mudou quando Liberato foi cortejado pela Globo. De fato, Gugu quase foi para a emissora concorrente do SBT, mas Silvio interviu e o trouxe de volta, arcando com uma multa milionária.

FUNCIONÁRIOS “FANTASMAS”

Continua após a publicidade

Enquanto Cidinha (Roberta Gualda), Iris Abravanel (Leona Cavalli) e as filhas de Silvio são reais, outros personagens foram inventados, como Cleusa (Larissa Nunes), a gerente de programação que Silvio Santos quase se recusa a contratar por ser uma mulher negra. Além disso, a figura de Stanislaw (Emilio de Mello) foge bastante não só aos fatos como à verossimilhança em relação ao comportamento de Silvio. Trata-se de um grande executivo do SBT que daria até ordens no dono da emissora – algo altamente improvável, já que o empresário sempre geriu o SBT do jeito que lhe dava na telha.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.