Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O ouro dos incas: mostra imperdível traz tesouros peruanos ao país

Exposição no CCBB do Rio, e que vai percorrer o país até 2024, lança luz sobre uma riqueza reluzente que virou maldição

Por Marcelo Marthe Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 6 out 2023, 18h08 - Publicado em 6 out 2023, 06h00

O mais célebre (e caro) resgate de que se tem notícia na história foi protagonizado por Atahualpa, imperador dos incas. Aprisionado pelos espanhóis pouco após a chegada do conquistador Francisco Pizarro ao Peru, em 1532, o indígena prometeu a seu algoz, em troca da liberdade, ouro suficiente para encher a sala onde estava preso (6 metros de altura e outros 6 de largura). Como miséria pouca era bobagem, botou no pacote mais duas vezes essa quantidade de prata.

TANGUINHA ANCESTRAL - A figura humana peculiar: piercing e sunga de platina lhe dão ares pós-modernos
TANGUINHA ANCESTRAL – A figura humana peculiar: piercing e sunga de platina lhe dão ares pós-modernos (Fundação Miguel Mujica Gallo/.)

Àquela altura, os europeus já sabiam das riquezas da nação que se autodenominava Tahuantinsuyu, cuja vasta extensão ia dos Andes ao litoral do Pacífico e à selva amazônica — mas não esperavam que fosse tanta. Os homens de Atahualpa providenciaram o resgate em poucos dias. O que só o livrou momentaneamente das agruras: logo os espanhóis encontraram um pretexto para executá-­lo. Levado ao Velho Mundo, aquele butim — avaliado hoje em 300 milhões de dólares — produziu inflação e enriqueceu reis e banqueiros. Dali em diante, os maravilhosos objetos em ouro e prata dos incas foram saqueados e derretidos até se esgotar. Agora, uma preciosa amostra do pouco que sobrou das relíquias, conservadas principalmente em tumbas só descobertas na posteridade, está entre nós.

Peru – Um destino cheio de histórias, sabores e muitos mistérios

A exposição Tesouros Ancestrais do Peru exibirá 162 itens de valor superlativo (não só em matéria de beleza) na sede carioca do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) a partir da quarta-feira 11 — até o ano que vem, ela passará por Belo Horizonte, Brasília e São Paulo. Vindo de uma das principais coleções dessas antiguidades, o Museu do Ouro e das Armas do Peru, em Lima, o acervo vai de tapeçaria e cerâmica a artefatos prosaicos utilizados no dia a dia pela civilização andina de mais de 3 000 anos. É a forte presença do ouro, claro, que diferencia e espanta no acervo: de enfeites e estatuetas de pequeno porte a suntuosas coroas ritualísticas, o metal reluzirá no CCBB. Com orçamento projetado de 8 milhões de reais captados por leis de incentivo, a instituição confia no apelo pop da arte pré-colombiana. “As pessoas têm os incas em seu imaginário, e conhecer mais sobre eles é enriquecedor”, diz Sueli Voltarelli, diretora do CCBB-Rio.

À MODA ANDINA - Taça de prata com cabeça de lhama ou alpaca: rituais
À MODA ANDINA – Taça de prata com cabeça de lhama ou alpaca: rituais (Fundação Miguel Mujica Gallo/.)

Ali se revela uma história não apenas de esplendor, mas — suprema ironia — da ruína a que o excesso de brilho condenou aquela sociedade. O império era um amálgama de povos que conviveram ou se sucederam ao longo dos séculos, até culminar na unificação promovida pelos incas — muitas vezes, imposta à base da força e da crueldade. Isolados do mundo, eles criaram tecnologias notáveis de forma autônoma, da agricultura sofisticada à metalurgia de elementos como ouro, prata e cobre. Mas, num lance paradoxal, os incas estavam muito atrás dos europeus em outros quesitos estratégicos. Não tinham uma escrita propriamente dita, só códigos de registro e contabilidade por meio de artefatos feitos de cordas, os quipos. Também não usavam animais de tração, nem dominavam a fundição do ferro — o que explica a queda galopante do império com 14 milhões de habitantes diante de 168 homens, um canhão e 27 cavalos de Pizarro. Por fim, não tinham imunidade aos vírus trazidos da Europa para a América: doenças como gripe, varíola e sarampo tiveram peso decisivo na derrota.

Biblioteca Grandes Civilizações – Box com 3 Livros

O que é menos lembrado, mas se revela fundamental para entender o choque de civilizações, é a diferença no modo como os incas lidavam com a economia. Eles não tinham nenhuma forma de dinheiro: tudo era negociado na base das trocas. Sua visão sobre os metais preciosos também era ingênua aos olhos dos colonizadores. “Para eles, o ouro tinha valor ritual e era indicador de status, mas não instrumento de acumulação de riquezas”, diz o curador Rodolfo de Athayde. Tanto exibicionismo desapegado logo despertou uma cobiça que seria fatal para os incas.

LÂMINA MACABRA - O tumi, faca sagrada: usada até em sacrifícios humanos
LÂMINA MACABRA - O tumi, faca sagrada: usada até em sacrifícios humanos (Fundação Miguel Mujica Gallo/.)

Uma Breve História da Arqueologia

Continua após a publicidade

Até chegar àquele ponto de ruptura, no entanto, o império viveu um florescimento ímpar, como testemunha a mostra. Entre os itens palpitantes estão um par de luvas feitas em ouro e estatuetas produzidas nos primeiros séculos da era cristã, mas que parecem pós-modernas — como um boneco com piercing no nariz e uma inusitada “tanga” criado na tradição Frias, do norte do Peru, e datado entre 200 a 700 d.C. A religião é o motor de boa parte das relíquias. Há artefatos elaborados para adornar sepulturas ou uso em cultos, da taça de prata sobre uma cabeça de lhama ou alpaca até uma trombeta ancestral com cabeça de felino e corpo de cobra. A exposição no CCBB reúne, ainda, um lote fabuloso dos objetos que são o símbolo maior do misticismo inca: os tumis, facas ricamente decoradas que eram utilizadas inclusive para sacrifícios humanos. Nesse sentido, os povos do Peru não eram tão macabros quanto os maias e astecas, da América Central e México. Mas também podiam executar pessoas — até mesmo crianças — como dádiva aos deuses em momentos dramáticos.

DIVERSIDADE - Trombeta com cara de felino e corpo de cobra (1), vaso com carranca humana (2), penacho que mescla ave e morcego (3), as luvas de ouro (4) e um chapéu de tecido (5): povos que impressionavam na metalurgia e outras técnicas
DIVERSIDADE - Trombeta com cara de felino e corpo de cobra (1), vaso com carranca humana (2), penacho que mescla ave e morcego (3), as luvas de ouro (4) e um chapéu de tecido (5): povos que impressionavam na metalurgia e outras técnicas (Fundação Miguel Mujica Gallo/.)

Famoso por sua coleção dessas facas, o Museu do Ouro de Lima é uma instituição pioneira no empréstimo de tesouros incas para mostras internacionais. Mas, curiosamente, passou por um escândalo de efeito depurativo no começo dos anos 2000: de caráter privado, o museu foi acusado de ter antiguidades falsas em meio a seu acervo. De lá para cá, a coleção foi periciada por experts, e o governo peruano passou a catalogar todo o patrimônio histórico em mãos particulares no país. “Hoje, posso assegurar que tudo que será mostrado é verdadeiro”, disse a VEJA a arqueóloga Paloma Carcedo, que conduziu o pente-fino. Ao menos nesse caso, portanto, tudo que reluz é — ainda bem — ouro.

Publicado em VEJA de 6 de outubro de 2023, edição nº 2862

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Peru - Um destino cheio de histórias, sabores e muitos mistérios
Peru – Um destino cheio de histórias, sabores e muitos mistérios
Biblioteca Grandes Civilizações - Box com 3 Livros
Biblioteca Grandes Civilizações – Box com 3 Livros
Uma Breve História da Arqueologia
Uma Breve História da Arqueologia

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.