Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Neil Young declara guerra ao Spotify por negacionismo na pandemia

O roqueiro exigiu que a empresa retirasse suas músicas do ar enquanto a plataforma hospedar o podcast do humorista anti-vacina Joe Rogan

Por Felipe Branco Cruz Atualizado em 25 jan 2022, 09h28 - Publicado em 25 jan 2022, 09h26

A relação do lendário cantor e compositor Neil Young, de 76 anos, com o Spotify nunca foi lá essas coisas – mas a pandemia fez o caldo entornar de vez. Ferrenho defensor da vacinação, o roqueiro exigiu que a empresa de streaming retire suas músicas do ar se continuar hospedando o podcast The Joe Rogan Experience, do comediante Joe Rogan – que, nas palavras de Young, “repetidamente espalhou alegações enganosas e falsas” e “teorias da conspiração infundadas” sobre os imunizantes contra a Covid-19. O humorista Rogan apoia o movimento anti-vacina e recomendou ivermectina para tratar a Covid-19, mesmo depois de comprovado que o remédio não é eficaz contra a doença.

O ultimato de Neil Young foi feito por meio de uma carta aberta publicada (e já apagada) em seu site, endereçada ao seu empresário Frank Gironda, e ao co-presidente e diretor de operações da Warner Records, Tom Corson. “Estou fazendo isso porque o Spotify está espalhando informações falsas sobre as vacinas – potencialmente causando a morte daqueles que acreditam na desinformação espalhada por eles”, escreveu. “Por favor, aja imediatamente hoje e me mantenha informado sobre o cronograma”, completou. “Eles podem ter Rogan ou Young. Não os dois”.

O podcast de Joe Rogan já foi criticado também no mês passado por 270 médicos e educadores, que pediram ao Spotify que parasse de divulgar seus programas. Lançado em 2009, o podcast de Rogan é um dos mais populares do mundo e em 2020 o Spotify pagou, segundo o Wall Street Journal, 100 milhões de dólares pela exclusividade.

Esta não é a primeira vez que Neil Young briga com o Spotify. Em 2015, ele retirou todas as suas músicas da plataforma por entender que a qualidade do áudio era muito baixa. No ano seguinte, cedeu e liberou novamente as músicas. Em uma entrevista à revista Rolling Stone, Young justificou sua volta ao Spotify com uma razão pragmática: “Era ali que as pessoas pagavam pela música”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês