Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Neil deGrasse Tyson, astrofísico mais pop da atualidade, fala a VEJA

Sucessor de Carl Sagan na série Cosmos, ele lança um belo livro que comprova por que é um craque da divulgação científica na era dos haters e das fake news

Por Marcelo Marthe Atualizado em 13 nov 2020, 20h42 - Publicado em 6 nov 2020, 06h00

Aos 9 anos, o americano Neil deGrasse Tyson teve um baque ao visitar pela primeira vez o Planetário Hayden — espaço de celebração dos astros pertencente ao Museu de História Natural de Nova York. Ele descreveria o impacto da experiência em termos místicos: “Percebi que o universo me escolheu”. Dali em diante, Tyson já tinha clareza do que queria ser na vida: astrofísico. Mas um professor da escola pública em que estudava, no subúrbio do Bronx, tentou demovê-­lo. “Por que você quer se meter com a ciência? Não há negros na área. Que tal tentar o esporte?”, questionou, apontando um dos únicos caminhos para cidadãos como Tyson nos Estados Unidos dos anos 60. A Nasa, agência espacial do país, só passou a aceitar negros em seu quadro de cientistas em 1963, lembra ele em Respostas de um Astro­físico, livro que traz sua troca de mensagens com pessoas comuns recém-lançado no país pela editora Record. Quando Tyson se formou astrofísico, era o sétimo negro em uma categoria com 4 000 profissionais. “Sabia que não seria bem-vindo em muitos setores. Mas, enquanto pudesse ter sonhos, eu continuaria na luta”, disse em entrevista por vídeo a VEJA (leia aqui).

SUPERPRODUÇÃO – A versão atualizada de Cosmos: ciência traduzida para as massas – Cosmos Studios/.

O mapa das constelações mudou desde então. A Nasa hoje é exemplo de respeito à diversidade. Tyson não só floresceu na profissão como comanda sua grande fonte de inspiração: há vinte anos é o diretor do Planetário Hayden. Sua influência vai muito além. Ele construiu uma carreira respeitada: foi conselheiro — que ironia — da Nasa e da política de exploração espacial americana na gestão de George W. Bush. Mas é, sobretudo, um astrofísico pop. Tornou-se habitué de atrações da TV americana, do The Daily Show a uma participação em Os Simpsons. Anos atrás, a DC Comics o convidou para imaginar o sistema onde se encaixaria Krypton, planeta que é o carma do Super-Homem — e fez dele personagem do gibi do super-­herói. Mas foi com a nova versão de Cosmos, série clássica conduzida por Carl Sagan nos anos 80, que Tyson se consagrou de vez, impondo-se como sucessor natural do mais conhecido rosto da área, morto em 1996.

+ Compre o livro Respostas de Um Astrofísico, de Neil DeGrasse Tyson

Como atesta a superproduzida versão atual de Cosmos, lançada em 2014, Tyson comunga com Sagan a capacidade de traduzir em linguagem simples teorias complexas sobre buracos negros e afins. Sagan fazia sua alquimia com base numa erudição combativa. No caso de Tyson, a chave para a empatia é sua falta de pudor em sacar da cultura pop. “Quero mostrar às pessoas os fenômenos extraordinários do universo por meio das coisas que lhes são familiares”, afirma.

CONEXÃO POP – O cientista no gibi do Super-Homem: ele imaginou como seria o sistema planetário de Krypton -Ao tratar de questões conceituais da astrofísica, ele exibe a mestria de um comunicador calejado. Tyson, de 62 anos, conquistou evidência ao corrigir publicamente deslizes na representação do espaço no cinema. Desancou a cena de Titanic em que Leonardo DiCaprio e Kate Winslet observam as estrelas apaixonados — a configuração do céu não teria nada a ver com a visão de verdade naquela data e local. Em 2012, ao lançar nova versão do filme, o cineasta James Cameron corrigiu o erro. Tyson ampliou sua fama ao apresentar, em 2000, no início de sua gestão no Hayden, uma recriação do sistema solar só com oito planetas — ele “despromoveu” Plutão, por considerá-lo um planeta-anão, o que viria a ser corroborado pela ciência.

+ Compre o livro Astrofísica para Apressados, de Neil DeGrasse Tyson
+ Compre o livro Crônicas Espaciais, de Neil DeGrasse Tyson

Continua após a publicidade

O lance de Plutão expõe a distância que separa a divulgação científica dos tempos de Sagan da de Tyson: ele enfrenta haters, negacionistas e fundamentalistas das redes sociais. Como se constata em mensagens despudoradas reunidas no livro, há doidos que não aceitam o rebaixamento de Plutão. Tyson centra suas forças, mais que tudo, na tarefa de reafirmar a ciência em meio às fake news e ao obscurantismo. No currículo fora de série, a única mácula é uma acusação de assédio sexual. Casado e pai de dois filhos, Tyson enfrentou em 2018 um processo que correu em sigilo. “Tudo o que posso dizer é que houve uma investigação transparente”, declara. Considerado inocente, escapou de perder o emprego no planetário. O universo conspira realmente a seu favor.

Publicado em VEJA de 11 de novembro de 2020, edição nº 2712

VEJA RECOMENDA | Conheça a lista dos livros mais vendidos da revista e nossas indicações especiais para você.

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR


Respostas de Um Astrofísico, de Neil DeGrasse Tyson

Astrofísica para Apressados, de Neil DeGrasse Tyson

Crônicas Espaciais, de Neil DeGrasse Tyson

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Continua após a publicidade
Publicidade