Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Morre Florian Schneider, aos 73 anos, fundador do Kraftwerk

Ele era um dos rostos essenciais do grupo eletrônico mais importante de todos os tempos, que influenciou desde David Bowie até a música das raves

Por Felipe Branco Cruz Atualizado em 6 Maio 2020, 16h58 - Publicado em 6 Maio 2020, 13h54

Florian Schneider, ex-integrante e um dos fundadores do grupo alemão Kraftwerk, morreu alguns dias atrás em decorrência de um câncer, poucos dias depois de completar 73 anos. A notícia foi divulgada na tarde desta quarta-feira, 6, e confirmada pela revista Billboard.

Nos anos 1970, ao lado de Ralf Hutter, Schneider revolucionou a cultura pop ao usar sons eletrônicos para fazer música, influenciando diversos artistas e estilos musicais, desde David Bowie e Giorgio Moroder até a disco music, a batida eletrônica das raves, o rap e hip-hop atuais.

“É uma notícia muito triste que nosso amigo e companheiro de muitas décadas Florian Schneider tenha morrido de câncer alguns dias atrás, depois de seu aniversário de 73 anos”, escreveu Hutter.

ASSINE VEJA

Moro fala a VEJA: ‘Não sou mentiroso’ Em entrevista exclusiva, ex-ministro diz que apresentará provas no STF das acusações contra Bolsonaro. E mais: a pandemia nas favelas e o médico brasileiro na linha de frente contra o coronavírus. Leia nesta edição.
Clique e Assine

No Kraftwerk, Schneider era responsável pelos sintetizadores, vocoder, flauta e sax. Ele também emprestava sua voz a algumas composições, que emulava caracteristicamente robôs. Com o grupo, ele lançou 10 álbuns de estúdio, inclusive o clássico Autobahn, de 1974. Em 2017, ganharam o Grammy de melhor álbum de música dance/eletrônica por 3-D The Catalog.

Schneider deixou a banda em 2008. Recentemente, o grupo estava programando uma nova turnê pela América do Norte para celebrar o 50º aniversário – os shows seriam feitos em 3D. O projeto, no entanto, foi adiado por causa da pandemia de coronavírus.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade