Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Marvel terá história em quadrinhos com heroína muçulmana

A editora vai lançar em fevereiro uma série com Kamala Khan, uma adolescente de família paquistanesa que mora em Jersey City, nos Estados Unidos

Por Da Redação 7 nov 2013, 14h32

Em uma tentativa de ampliar a diversidade de seus personagens, a Marvel criou uma heroína muçulmana, Kamala Khan, que deve estrear em uma série própria de quadrinhos em fevereiro de 2014. De acordo com o jornal americano The New York Times, a personagem será uma adolescente de família paquistanesa moradora de Jersey City, nos Estados Unidos.

Leia também:

Homem de Ferro descobre a verdade sobre seu passado

Nova HQ do Super-Homem mira fãs de ‘Crepúsculo’

É uma sereia? Uma periguete? Que nada: a ‘X-Men’ brasileira é um tubarão

A ideia da criação de Kamala surgiu durante uma conversa informal entre dois editores da Marvel, Sana Amanat e Steve Wacker. “Eu estava contando para ele uma história louca sobre a minha infância, sobre o fato de ter crescido como um muçulmano-americano”, afirmou Amanat, garantindo que o colega achou a história engraçada. A dupla percebeu, então, a escassez de séries com heroínas femininas e também a ausência de quadrinhos com personagens de culturas específicas.

Kamala terá a habilidade de mudar de forma. Ao descobrir seus super-poderes, a menina vai adotar o codinome Miss Marvel, usada anteriormente por outra heroína, Carol Danvers, que agora é chamada de Capitã Marvel. Segundo a criadora da personagem muçulmana, G. Willow Wilson, a Capitã Marvel representa um ideal para Kamala. “Ela é forte, bonita e não carrega nenhuma bagagem por ser paquistanesa ou ‘diferente'”, disse ao jornal.

A heroína também vai enfrentar problemas em casa, com seu irmão, extremamente conservador, e com seus pais, que desejam que ela se mantenha longe de garotos e que dê prioridade aos estudos, tornando-se médica. De acordo com a criadora de Kamala, a personagem vai entrar em conflito com a própria fé ao ter de conciliar valores religiosos e familiares com sua atuação como heroína, o que pode exigir que algumas regras sejam quebradas.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês