Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Marcelo Adnet: malandro em nova comédia da Globo Filmes

Ao lado de Eduardo Sterblitch, do 'Pânico', o humorista da MTV estreia ‘Os Penetras’ nesta sexta-feira, na pele do golpista carioca Marco Polo

Por Meire Kusumoto Atualizado em 10 dez 2018, 10h53 - Publicado em 30 nov 2012, 10h20

Figurinha de proa no humor televisivo, Marcelo Adnet volta ao cinema em mais um projeto de comédia esquemática da Globo Filmes – ele também foi o jovem Agamenon no bobinho As Aventuras de Agamenon, o Repórter, de Victor Lopes. Em Os Penetras, longa de Andrucha Waddington que estreia nesta sexta-feira, ele é Marco Polo, um malandro carioca que quer levar vantagem de todos que conhece, até mesmo do esquisito Beto, papel de Eduardo Sterblitch. O ator, que dá vida aos personagens César Polvilho e Freddie Mercury Prateado no programa Pânico, também deu sua contribuição para o roteiro do filme.

“Antes de gravar, a gente fez várias leituras do texto. A cada cena, o Andrucha ia mudando alguma coisa”, disse Sterblitch. “Quando terminávamos, dávamos nossas opiniões, mesmo as mais absurdas. E é impressionante como o Andrucha é aberto e considerava todas elas”, completou Adnet. Prova de que Andrucha estava atento a tudo é que, quando Sterblitch disse a ele que algumas pessoas o achavam parecido com o ator Jude Law, o diretor criou para ele Jude Taylor, uma referência ao britânico.

Sem dúvida, as piadas e improvisações de Adnet e Sterblitch são o ponto alto do filme, que, dizem eles, procurou fugir de clichês humorísticos. Em uma das cenas, depois de levar um tapa, Beto dá um beijo rápido em Marco Polo. A surpresa não foi só do personagem de Adnet: cansado de gravar o mesmo trecho várias vezes, Sterblitch decidiu improvisar.

Marco Polo, junto com Nelson (Stepan Nercessian), é um penetra de eventos profissional e conhece Beto no seu pior momento, quando o tímido rapaz tenta se matar por ter sido rejeitado por Laura (Mariana Ximenes). Ao perceber que pode se beneficiar da fraqueza e da bonança de Beto, Marco promete que tentará convencer a moça a lhe dar uma nova chance. Mas tudo muda quando ele próprio se apaixona por Laura, uma mulher misteriosa e sedutora. Na opinião de Mariana Ximenes, sua personagem manipula todo o jogo no filme. “Ela é terrível, coloca os dois no bolso, não tem integridade. É muito esperta.”

Andrucha para rir – Os Penetras é a estreia de Andrucha Waddington na comédia. Conhecido pelos dramas Casa de Areia (2005) e Eu Tu Eles (2000), o diretor tentou se reinventar e incorporar em seu cinema o tom de humor de cineastas como o italiano Mario Monicelli e o americano Billy Wilder. “A gente descobriu a ‘maneira Andrucha de fazer cinema’, sem ‘amontoar’ um monte de cenas, contando uma história com humor cinematográfico, ritmo, boa fotografia”, diz Adnet.

Andrucha se diz satisfeito, mas não quer se acomodar na comédia. Já tem os direitos de adaptação do romance Nação Crioula, do português José Eduardo Agualusa, que será levado ao cinema com roteiro do próprio escritor. A história retoma o personagem bon vivant criado por Eça de Queirós em Correspondência de Fradique Mendes.

Para o diretor, o cinema brasileiro melhora a cada ano, mas precisa trabalhar outros gêneros e ser visto como estratégico pelo país. “Temos que fazer filmes brasileiros de terror, de ação. O cinema tem que ser visto como indústria estratégica.

>>> Uma pergunta para Marcelo Adnet: Como identificar um malandro carioca?

Continua após a publicidade
Publicidade