Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Ludmilla relembra ofensa de Marcão do Povo em post sobre racismo

Cantora afirma que não se intimida diante do preconceito e afirma que se inspira em mulheres como Beyoncé, Rihanna e Alcione

Por Da redação
Atualizado em 4 jun 2024, 18h50 - Publicado em 20 nov 2017, 18h15

Ludmilla aproveitou o Dia da Consciência Negra, comemorado em 20 de novembro, para fazer uma publicação contra o racismo em seu perfil no Instagram. A cantora lembrou algumas situações em que foi vítima de preconceito racial, entre elas o episódio em que foi chamada de “macaca” pelo apresentador Marcão do Povo durante o Balanço Geral DF, da Record, em janeiro.

“Eu já fui chamada de ‘macaca’ por um apresentador de televisão. Já sofri preconceito no trânsito e até no avião. Vocês acham que eu me intimido com essas coisas? Eu não!”, escreveu. “O exemplo de mulheres como Beyoncé, Rihanna, Alcione, Elza Soares e Taís Araújo sempre me deram força para seguir em frente de cabeça erguida. Espero estar fazendo a mesma coisa pelos meus danados! Nunca abaixe a cabeça para o preconceito. Se não gosta, senta e chora!”

No Balanço Geral, uma colega de Marcão do Povo falava que Ludmilla evita tirar fotos com os fãs em restaurantes. “É uma coisa que não dá para entender. Era pobre, macaca, pobre, mas pobre mesmo”, disse Marcão. Ludmilla prestou queixa contra o apresentador.

Continua após a publicidade
View this post on Instagram

Eu já fui chamada de “macaca” por um apresentador de televisão. Já sofri preconceito no trânsito e até no avião. Vocês acham que eu me intimido com essas coisas? Eu não! O exemplo de mulheres como @beyonce, @badgalriri, @alcioneamarrom, @elzasoaresoficial e @taisdeverdade sempre me deram força para seguir em frente de cabeça erguida. Espero estar fazendo a mesma coisa pelos meus danados! Nunca abaixe a cabeça para o preconceito. Se não gosta, senta e chora! #DiaDaConsciênciaNegra #TeEnsineiCertin #TambémSouFã

A post shared by Ludmilla (@ludmilla) on

A VEJA, Ludmilla afirmou que o meio artístico é hostil a quem é negro. “É muito difícil ver negros fazendo sucesso. Eu vejo vários negros talentosos, várias negras lindas. Mas no desfile da Victoria’s Secret, você procura, e quase não encontra. Só tem branca ou no máximo uma queimadinha, bronzeada. Por que não tem mais cantoras negras jovens brilhando, cantando para todo mundo, dando entrevista? Dá para contar nos dedos. É difícil ser negro, até para a Beyoncé”, disse.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.