Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Jon Batiste apresenta o jazz aos mais jovens

Indicado ao Oscar de melhor trilha pela animação 'Soul', o músico conta a VEJA como sua vida inspirou o protagonista fantasma do filme

Por Felipe Branco Cruz Atualizado em 2 abr 2021, 11h01 - Publicado em 2 abr 2021, 06h00
SEM MODÉSTIA - Batiste, sobre o seu último trabalho: “Obra-prima do pop negro” -
SEM MODÉSTIA – Batiste, sobre o seu último trabalho: “Obra-prima do pop negro” – Gonzalo Marroquin/Getty Images

Na mais recente animação da Pixar, Soul, almas jovens habitam uma espécie de pré-escola do Além, onde adquirem as características que terão em sua futura vida humana. Mentores como Einstein e Platão estão ali para inspirar as alminhas. Na Terra, Joe Gardner, um professor de música para crianças e fracassado pianista de jazz, morre no mesmo dia em que consegue a sonhada vaga numa banda. Ao fugir da morte, sem querer, ele vai parar nessa escolinha, onde é confundido com um mentor e ganha a espinhosa tarefa de inspirar a alminha mais rebelde do pedaço. A saída para domar a aluna difícil, claro, está no jazz. Tal como o personagem, o pianista americano Jon Batiste, de 34 anos, também abraçou a missão de levar o gênero musical às novas gerações, mais afeitas ao pop e ao hip-hop. Autoridade para tanto não lhe falta: Batiste é um dos coautores da música-tema do filme e, ao lado de Trent Reznor e Atticus Ross, está indicado ao Oscar de trilha sonora. Mais que isso, é a própria inspiração do tocante professor fantasma de Soul. “Jazz é uma música que explora o poder da alma humana. É divino”, disse Batiste em entrevista pelo Zoom a VEJA.

+ Compre o livro A Arte de Soul

Nascido em uma família de músicos de Nova Orleans, ele se apaixonou pelo jazz ainda na infância, quando seu pai o levou a contragosto a um clube da cidade. Essa história, aliás, acabou sendo incorporada ao personagem da Pixar. No filme, Gardner diz aos alunos: “Vi um cara que mandava notas com tanta vontade que, quando chegou ao solo, ele fechou os olhos e eu senti que flutuava. Foi quando eu decidi que queria ser igual a ele”. O roteiro pegou emprestada essa frase de Batiste, que teve a mesma reação ao ser levado ao clube pelo pai. “Foi um trabalho colaborativo. Muitas vezes, influenciei a história para além da música”, diz o artista. Os longos e indomáveis dedos do pianista de Soul também foram moldados nos do músico real.

INSPIRAÇÃO - O protagonista de Soul: os dedos do músico real -
INSPIRAÇÃO - O protagonista de Soul: os dedos do músico real – Disney+/.

+ Compre o disco Hollywood Africans

Batiste ganhou fama nos Estados Unidos como integrante da banda do talk-show do humorista Stephen Colbert. Já lançou nove álbuns, todos voltados ao jazz. Mas, no recém-lançado We Are, promove uma mistura do ritmo com o R&B, o soul e o rap. “Duke Ellington, meu maior ídolo, uma vez disse que deveríamos descategorizar os gêneros musicais. Foi isso que decidi fazer”, explica.

Continua após a publicidade

+ Compre o CD Jon Batiste: WE ARE

Com seu jeito expansivo e simpático, Batiste conseguiu colocar novamente em evidência um gênero que nem sempre empolga as massas como mereceria. E ele não tem pudor em valorizar sua façanha. Sem modéstia, o pianista descreve seu novo trabalho como uma “obra-prima do pop negro”. Se a estatueta do Oscar vier de fato, na noite do próximo dia 25, ele se confirmará como a encarnação do novo espírito do jazz.

Publicado em VEJA de 7 de abril de 2021, edição nº 2732

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

A Arte de Soul
A Arte de Soul
Hollywood Africans
Hollywood Africans
Jon Batiste: WE ARE
Jon Batiste: WE ARE

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Continua após a publicidade
Publicidade