Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Filme estrelado por Brad Pitt divide plateia em Cannes

Público formado por jornalistas ficou entre vaias e aplausos tímidos depois da exibição de 'A Árvore da Vida', de Terrence Malick

Por Da Redação 16 Maio 2011, 18h07

O diretor americano Terrence Malick, um dos diretores mais aguardados no Festival de Cannes, lançou nesta segunda-feira (16) A Árvore da Vida, protagonizado por Brad Pitt e que concorre pela Palma de Ouro. O quinto longa-metragem de Malick é uma sucessão de imagens de natureza, com representação do que pode ter sido o Big Bang e uma história ao redor de uma família no Texas que salta dos anos 1950 à atualidade.

O diretor, que não participou da entrevista coletiva em Cannes, alegando timidez, não assistiu à recepção dividida da imprensa ao filme, que respondeu com vaias e tímidos aplausos. Brad Pitt, o protagonista, presente à exibição, saiu pela tangente elogiando o trabalho do diretor. “Achei extraordinário”, resumiu Pitt sobre sua experiência de trabalho com Malick; “você sabe que com ele está em boas mãos, não assusta tanto”, comentou o ator sobre as gravações nas quais o diretor deu muita liberdade aos atores.

Seu trabalho no filme, explicou Pitt, “mudou tudo o que fiz até agora” e o ator, que também produziu o projeto, se mostrou muito interessado pela forma de trabalhar de Malick, “fora do roteiro” e com atores não profissionais, um caminho que, disse, lhe interessa explorar.

Questionado sobre o tom religioso que transita pelo filme desde a citação bíblica de Job no início, Pitt opinou que Malick “tem um ponto de vista mais universal” que o limitado em volta do tema cristão da família que protagoniza o filme.

Malick também contou com a colaboração de Douglas Trumbull (responsável pelos efeitos especiais de “2001, Uma Odisséia no Espaço”, de Stanley Kubrick).

O filme que nesta segunda-feira passou por Cannes e que foi mencionado nas apostas do festival como favorito ao prêmio antes de sua exibição é uma ideia que Malick começou a desenvolver no final dos anos 1970, após Cinzas no Paraíso, de 1978.

(Com Agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade