Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Estudiosos atribuem esculturas em bronze a Michelangelo

Peças são as únicas do tipo criadas pelo artista que sobreviveram até hoje

Por Da Redação 2 fev 2015, 18h50

Duas esculturas em bronze expostas em Cambridge, na Inglaterra, são do artista italiano Michelangelo Buonarotti (1475-1564), acredita um grupo de especialistas britânicos. As peças, que representam cada uma um homem nu com um dos braços levantados e montado em uma pantera, foram feitas entre 1506 e 1508, e são as únicas feitas pelo renascentista em bronze que sobreviveram até os dias atuais.

Leia também:

Desenho de Michelangelo vai a leilão por mais de US$ 4 milhões

Florença apresenta desenhos inéditos de Michelangelo

Louvre recebe crucifixo que pode ser de Michelangelo

Continua após a publicidade

O interesse em conhecer o autor dos bronzes surgiu em 2012, quando foram exibidos em uma exposição na Academia Real de Londres (Royal Academy). Seu proprietário, um colecionador privado que não quis ser identificado, pediu uma opinião ao professor Paul Joannides, da Universidade de Cambridge, na Grã-Bretanha. Ao ver as obras, Joannides lembrou de um esboço de um discípulo de Michelangelo, o que sugeriu a autoria das peças.

Os especialistas acreditam que o artista as tenha feito entre seus dois trabalhos mais famosos: a escultura de mármore de quatro metros de Davi, que pode ser vista até hoje em Florença, e os afrescos da Capela Sistina, no Vaticano. As esculturas são tecnicamente perfeitas e os estudiosos afirmam que só uma pessoa que tenha praticado a dissecção da anatomia humana, como Michelangelo, poderia executá-las.

“O artista italiano sentia que seu trabalho era mostrar as maravilhas da criação de Deus e o corpo humano da forma mais idealizada”, afirmou Victoria Avery, responsável pelo departamento de Artes Aplicadas do Fitzwilliam Museum, onde as peças ficam expostas até agosto.

As duas esculturas já foram atribuídas a Michelangelo no século XIX, mas logo se acreditou que eram de outros artistas.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês