Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Esposa defende Woody Allen das acusações de abuso sexual

Soon Yi descredita depoimento da meia-irmã, Dylan Farrow, que reitera as alegações de que foi molestada pelo pai quando tinha 7 anos

Por Redação Atualizado em 30 jul 2020, 20h09 - Publicado em 17 set 2018, 11h10

Soon-Yi Previn, esposa de Woody Allen, quebrou o silêncio quanto às acusações de abuso sexual contra o marido feitas por Dylan Farrow, sua meia-irmã — a filha adotiva do diretor alega que foi molestada pelo pai aos 7 anos. Segundo Soon-Yi, as afirmações são “injustas e perturbadoras” e não passam de uma manobra da mãe, a atriz Mia Farrow, disse ela à revista New York.

Soon-Yi, de 47 anos, é filha de Mia Farrow com o maestro André Previn, e meia-irmã de Dylan. Ela engatou um romance com Woody Allen quando o diretor ainda era casado com sua mãe, no outono de 1991, quando ela tinha 21 anos. “Eu voltei da faculdade nas férias e ele me mostrou um filme de (Ingmar) Bergman, acho que era o O Sétimo Selo, não tenho certeza. Conversamos, e eu devo ter sido incrível, porque ele me beijou”, lembra ela sobre o começo do relacionamento.

O suposto abuso da irmã teria acontecido cerca de seis meses depois de Mia descobrir a traição do marido e da filha, em janeiro de 1992. Na época, ela gravou um vídeo de Dylan, então com 7 anos, dizendo que o pai a havia molestado. O caso foi levado à corte duas vezes, e encerrado por falta de provas.

A sul-coreana descreve a mãe adotiva como uma mulher cruel e manipuladora. “Ela me segurava pelos pés, de cabeça para baixo, para fazer o sangue descer para minha cabeça, porque achava que assim me faria mais inteligente”, lembra Soon, que assumiu ter dificuldade de aprendizagem. Ela conta também que a mãe constantemente dava “demonstrações de poder arbitrárias”, batia no rosto da garota e a espancava com uma escova de cabelo, enquanto a xingava de “estúpida” e “imbecil”.

Continua após a publicidade

Soon-Yi ainda acrescenta que, quando era criança, Mia tentou persuadi-la a fazer um vídeo contando que era filha de uma prostituta em Seul, na Coreia do Sul, e que apanhava da mãe. Ela se negou a participar, alegando que não lembrava nada disso. “Mia se aproveitou do movimento #MeToo e desfilou com Dylan como se ela fosse uma vítima. Toda a nova geração está ouvindo essa história da forma incorreta.”

Dylan e Ronan contestam depoimento da irmã

Diante do depoimento dde Soon-Yi, Dylan Farrow reafirmou suas acusações a Woody Allen. No Twitter, ela se dirigiu à imprensa e aos aliados do diretor: “Ninguém está me desfilando como vítima. Eu continuo a ser uma mulher adulta, que faz alegações críveis e apoiadas em evidências há duas décadas”. Ela também desmentiu as afirmações de que Mia Farrow é uma mãe cruel e manipuladora. “Eu tive um lar maravilhoso, graças à minha mãe.”

Ronan Farrow, filho de Mia e Allen e o jornalista por trás das primeiras reportagens sobre os casos de assédio sexual na indústria do entretenimento, também saiu em defesa da mãe: “Eu devo tudo que sou a Mia Farrow. Ela é uma mãe dedicada, que comeu o pão que o diabo amassou pela família, a ainda assim não deixou de criar um ambiente saudável para nós”.

Os outros filhos de Mia — à exceção de Soon-Yi — ainda soltaram uma nota em favor da mãe. “Nenhum de nós jamais presenciou um tratamento nada menos que carinhoso de nossa mãe, por isso mesmo a Justiça deu a ela a guarda total de todos os filhos. Rejeitamos todos os esforços de desacreditar as acusações de Dylan tentando fazer de nossa mãe uma vilã.”

Continua após a publicidade

Publicidade